14:41 19 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Combatentes do Talibã (foto de arquivo)

    Autoridade afegã: 8 membros do Talibã são mortos em bombardeio por avião russo ou tajique

    © AP Photo / Allauddin Khan
    Oriente Médio e África
    URL curta
    160

    Um avião tajique ou russo bombardeou a área fronteiriça afegã na província de Takhar, eliminando oito combatentes do movimento radical Talibã, segundo responsável oficial do Afeganistão, citado pela Reutres.

    O bombardeio começou após dois guardas de fronteira tajiques terem sido mortos em um confronto com os talibãs, de acordo com o representante. 

    Segundo o porta-voz da polícia da província de Takhar, Khalil Asir, o ataque aéreo resultou em oito mortos e seis feridos entre os talibãs.

    Supostos militantes dos grupos terroristas Daesh e Talibã em uma delegacia no Afeganistão, 3 de outubro de 2017
    © AFP 2018 / Noorullah Shirzada
    O Talibã confirmou que houve um confronto na área, seguido por um ataque aéreo.

    Mais tarde, o Ministério da Defesa da Rússia desmentiu as informações de que um avião russo teria realizado um ataque na fronteira entre o Afeganistão e o Tajiquistão.

    As forças governamentais do Afeganistão combatem há vários anos os grupos terroristas Talibã e Daesh (proibidos na Rússia), realizando operações por todo o país. Não obstante, o derramamento de sangue no país continua.

    A situação na província de Takhar, segundo a agência afegã Khaama Press, tinha se mantido relativamente tranquila após a queda do regime talibã, mas começou a se agravar nos últimos anos, porque os grupos armados não desistem de expandir a sua presença no norte e no nordeste do Afeganistão.

    Mais:

    Forças dos EUA ajudam tropas afegãs a resgatar dez reféns do Talibã, diz OTAN
    Afeganistão confirma que não participará de negociação convocadas com o Talibã por Moscou
    Tags:
    bombardeamento, mortos, feridos, ataque aéreo, Daesh, Talibã, Tajiquistão, Afeganistão, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik