15:59 20 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Líder do principal partido de oposição do Zimbábue, Nelson Chamisa, se dirige ao público em seu último comício antes das eleições presidenciais de 2018.

    Líder opositor no Zimbábue rejeita decisão judicial que endossou resultado eleitoral

    © AP Photo / Tsvangirayi Mukwazhi
    Oriente Médio e África
    URL curta
    201

    O líder da principal coalizão de oposição no Zimbábue, Nelson Chamisa rejeitou a decisão do Tribunal Constitucional no sábado que endossou a vitória do atual presidente Emmerson Mnangagwa na eleição presidencial de 30 de julho.

    "Respeitar a decisão do Tribunal Constitucional não significa, por definição, aceitar. Você pode respeitar, mas não concordar com o Tribunal Constitucional e eu respeitosamente discordo e rejeito a posição [do tribunal]", disse Chamisa numa conferência de imprensa.

    O líder da oposição observou que confirmar a legitimidade da votação não é um dever do Tribunal Constitucional e acrescentou que os zimbabueanos têm o direito de "examinar" a decisão do tribunal.

    Chamisa acrescentou que a oposição planeja lançar protestos pacíficos entre outras medidas para obter resultados.

    Na sexta-feira, o tribunal confirmou que Mnangagwa havia sido devidamente reeleito. O processo legal foi iniciado pela Aliança do Movimento para a Mudança Democrática (MDC), que alegou ter provas o suficientes para anular os resultados sobre irregularidades eleitorais.

    A Aliança MDC assegurou 64 dos 210 lugares na Assembleia Nacional. Seu candidato Chamisa ficou em segundo lugar na corrida presidencial com 44,3% dos votos. A Frente Patriótica da União Nacional Africana do Zimbabué (ZANU-PF) assegurou uma maioria absoluta na Assembleia Nacional com 144 lugares e o seu candidato, Mnangagwa, foi nomeado presidente do país.

    O Departamento de Estado dos EUA pediu à oposição do Zimbábue que aceite o resultado dos votos e respeite a decisão do tribunal.

    Tags:
    Aliança MDC, Assembleia Nacional do Zimbábue, União Nacional Africana do Zimbábue (ZANU-PF), Departamento de Estado dos EUA, Nelson Chamisa, Emmerson Mnangagwa, Zimbábue, África
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik