20:18 24 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Ataque aéreo da coalizão internacional na Síria (foto de arquivo)

    Estados Unidos teriam avisado lado russo de possível novo ataque contra Síria

    © AP Photo / Bram Janssen
    Oriente Médio e África
    URL curta
    13416

    O assessor de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, disse que Washington está preparado para atacar as forças governamentais sírias se estas empregarem armas químicas.

    Segundo fontes anônimas da agência Bloomberg, durante o encontro em Genebra na quarta-feira (23) Bolton disse ao secretário do Conselho de Segurança da Rússia, Nikolai Patrushev, que os EUA estão prontos a responder com uma força militar ainda maior da que usou contra o governo de Assad no passado.

    Como indicam as fontes da agência, as autoridades estadunidenses afirmam ter informações de que o exército sírio poderá usar armas química ao libertar os territórios da província de Idlib dos militantes.

    Durante o encontro, Bolton e Patrushev abordaram os assuntos-chave da agenda internacional, incluindo a Síria e o Irã, assim como o tema do controle de armas nucleares.

    Anteriormente, Bolton afirmou que os EUA têm conhecimento dos "planos do regime sírio de reiniciar ações ofensivas na província de Idlib" e que Washington está disposto a dar "uma resposta firme" caso Damasco use armas químicas.

    No início de abril de 2018, vários grupos armados de oposição e ONG relacionadas responsabilizaram o governo da Síria por um suposto ataque químico contra a cidade de Duma, em Ghouta Oriental.

    A pedido de Damasco e Moscou, que desmentiram o alegado ataque químico, a Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) decidiu enviar um grupo de especialistas para realizar uma investigação no lugar.

    Porém, sem esperar pela investigação, os EUA, França e Reino Unido lançaram em 14 de abril um ataque contra o que chamaram de "locais relacionados" com um suposto programa secreto sírio de armas químicas, acusando Damasco de usar substâncias perigosas contra civis.

    Antes, em abril de 2017, os EUA bombardearam com mísseis a base síria de Shayrat, na província de Homs, depois de a oposição síria ter informado sobre mortos e feridos causados por um alegado ataque químico na cidade de Khan Shaykhun, província de Idlib.

    Hoje (25), o Ministério da Defesa da Rússia declarou que terroristas da organização Tahrir al-Sham estão preparando uma provocação com armas químicas para depois acusar Damasco. Assim, haverá um pretexto para EUA, Reino Unido e França efetuarem um ataque contra infraestruturas governamentais na Síria, segundo a entidade russa.

    Mais:

    Diplomata russo: terroristas na Síria recebem armas de serviços secretos estrangeiros
    Al-Qaeda pode tomar o lugar do Daesh e atrapalhar paz na Síria, diz embaixador russo
    Tags:
    armas químicas, ataque, Conselho de Segurança da Rússia, Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ), Nikolai Patrushev, John Bolton, Ghouta Oriental, Shayrat, Khan Shaykhun, Idlib, Rússia, EUA, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik