14:59 12 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Sírios evacuados da cidade de Aleppo durante o cessar-fogo chegam a um campo de refugiados em Rashidin, perto de Idlib, Síria.

    Militantes sírios detêm 500 apoiadores do diálogo com Damasco nas últimas 2 semanas

    © AP Photo /
    Oriente Médio e África
    URL curta
    235

    Militantes sírios detiveram mais de 500 apoiadores do estabelecimento de um diálogo com Damasco na zona de segurança, de Idlib, na Síria, nas últimas duas semanas.

    O chefe do Centro Russo para a Reconciliação Síria, general Alexei Tsygankov, informou nesta terça-feira (21) que o destino da maioria dos detidos ainda é desconhecido. 

    "Prisões de apoiadores do diálogo político com Damasco entre a população local e comandantes da oposição no território da zona de segurança de Idlib continuam. O número de cidadãos detidos por militantes de grupos radicais já passa de 500. Os detidos são levados para um destino desconhecido, o destino da maioria deles é desconhecido", disse Tsygankov em coletiva de imprensa. 

    Na província síria de Idlib permanecem grupos radicais muito diversos. Anteriormente, os especialistas já tinham afirmado que grupos tão diferentes não poderiam coexistir em paz no mesmo território.

    A Síria se encontra mergulhada em uma profunda guerra civil desde o início de 2011, com as forças leais ao presidente Bashar Assad tendo que combater diversos grupos armados de oposição, incluindo organizações terroristas como o Daesh e a Frente al-Nusra, proibidas na Rússia e em vários outros países. 

    Mais:

    Deputado sírio: preparo para operação em Idlib decorre em todos os níveis
    General sírio: Idlib abriga maior número de terroristas do mundo
    Terroristas da Frente Nusra em Idlib rejeitam dissolução exigida por Ancara
    Fonte: exército sírio prepara grande ofensiva para libertar Idlib de grupos terroristas
    Tags:
    militantes, diálogo, Centro Russo para a Reconciliação Síria, Idlib, Damasco, Síria, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik