23:59 18 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Avião da coalizão internacional liderada pelos EUA

    Daesh teria atacado forças estadunidenses em Deir ez-Zor, na Síria

    © AP Photo / Vadim Ghirda
    Oriente Médio e África
    URL curta
    14151

    A agência de notícias turca, Anadolu, citou fontes locais ao informar que os militantes do Daesh, organização terrorista proibida na Rússia, teriam tentado conduzir um veículo cheio de explosivos para as instalações de alojamento de militares estadunidenses, mas o carro acabou sendo bombardeado por aviões da coalizão ocidental.

    De acordo com os relatos, vários terroristas foram mortos, além de um civil. Enquanto cinco civis ficaram feridos no ataque.

    A edição adianta que os terroristas ainda tentaram realizar outros dois ataques na área, durante os quais se deram confrontos com combatentes do Partido dos Trabalhadores do Curdistão.

    Os EUA ocupam uma área de 34 milhas (quase 55 km) em torno de sua base militar em Al-Tanf, onde os especialistas norte-americanos treinam e equipam os grupos armados da oposição síria.

    O campo de refugiados de Ruqban está localizado a cerca de 11 milhas ao sul de Al-Tanf e, consequentemente, dentro da zona controlada pelos EUA, na fronteira sírio-jordaniana.

    Desde 2016, os EUA têm treinado militantes do Exército Livre Sírio em sua base militar em Al-Tanf alegadamente para combater o Daesh, mas atraíram muitas críticas de Damasco por suas atividades.

    A coalizão internacional liderada pelos EUA vem realizando ataques aéreos contra alvos do Daesh na Síria desde 2014 sem um mandato da ONU ou autorização do governo de Damasco. Já a Síria vê nisso uma violação da soberania nacional do país.

    Mais:

    Iraque lança ataques contra o Daesh na Síria
    Bem no alvo: atirador de elite supostamente mata líder do Daesh no Afeganistão
    Por que EUA 'fecham os olhos perante atividades terroristas' do Daesh?
    Tags:
    terroristas, coalizão internacional, Daesh, Al-Tanf, Síria, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik