08:00 20 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Rebeldes Houthis armados no Iêmen

    Militares do Iêmen pedem maior participação da Rússia no conflito do país

    © REUTERS / Khaled Abdullah
    Oriente Médio e África
    URL curta
    201

    O vice-ministro da Defesa do Iêmen, Abdel Qadir al-Amudi, declarou, em entrevista à Sputnik, que os militares iemenitas esperam uma maior participação russa na resolução do conflito no país árabe.

    "A Rússia e o Iêmen historicamente têm laços antigos e fortes, por isso esperamos que a Rússia, graças à sua influência na arena internacional, desempenhe um papel ainda maior e participe da solução do problema iemenita", disse ele.

    Além disso, o vice-ministro acusou o Irã de fornecer mísseis balísticos ao movimento Houthi. "O Irã está diretamente envolvido na guerra em curso. Fornece mísseis balísticos aos Houthi os ajuda a modernizar os mísseis que foram usados anteriormente [pelo exército iemenita], que os Houthis tomaram", disse ele.

    O Iêmen vive desde 2014 um conflito armado entre o governo liderado pelo presidente Abd Rabbuh Mansur Hadi e o movimento Houthi. 

    A coalizão de maioria dos países do Golfo Pérsico liderada pela Arábia Saudita vem realizando ataques aéreos contra os Houthis a pedido de Hadi desde março de 2015.

    De acordo com um relatório do Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários, o conflito iemenita já causou cerca de 9.500 mortes e quase 55.000 feridos.

    Mais:

    Pedaços de bomba dos EUA são encontrados no local de ataque a ônibus no Iêmen (FOTOS)
    ONU quer investigação independente sobre ataque saudita a crianças no Iêmen
    Dezenas de crianças são mortas e feridas em ataque aéreo da coalizão a ônibus no Iêmen
    Coalizão saudita diz ter destruído locais de lançamento de mísseis rebeldes no Iêmen
    Rebeldes houthis teriam atacado navio saudita perto da costa ocidental do Iêmen
    Tags:
    conflito, coalizão, Houthi, Abd Rabbo Mansour Hadi, Iêmen, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik