10:48 15 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Segurança afegã patrulha cidade de Ghazni na província de Cabul, Afeganistão, 12 de agosto de 2018

    'Sistema ganancioso e controlador' impulsiona ocupação implacável dos EUA no Afeganistão

    © AP Photo / Mohammad Anwar Danishyar
    Oriente Médio e África
    URL curta
    5216
    Nos siga no

    Apesar das afirmações dos EUA de que permanecerão no Afeganistão para melhorar o país, Kathy Kelly, cocoordenadora do Voices for Creative Nonviolence (Vozes para a Não-Violência Criativa), disse à Sputnik Internacional que a permanência americana tem a ver com a intenção de Washington de tentar enviar uma mensagem a outros países da região.

    A coalizão liderada pelos EUA no Afeganistão concluiu missão de combate em dezembro de 2014, marcando o fim formal da mais longa guerra da história norte-americana. Mesmo assim, tropas dos EUA permaneceram no país para supervisar, treinar soldados afegãos e dar assistência militar sempre que solicitados. 

    Mas o povo do Afeganistão não é quem está se beneficiando dos EUA, que atuam como uma polícia mundial, esclareceu Kelly para a Sputnik Internacional na terça-feira (14).

    "Os beneficiários são as pessoas que vendem armas", explicou Kelly aos apresentadores Eugene Puryear e Sean Blackmon.

    "Certamente isso não criou de modo algum um lugar mais seguro para as pessoas viverem no Afeganistão", enfatizou.

    Desde a madrugada de sexta-feira (10), militantes do Talibã e forças de segurança afegãs estão presos em uma batalha mortal na província de Ghazni. Pelo menos 90 soldados e cerca de 200 militantes foram assassinados, segundo o Ministério da Defesa do Afeganistão. Oferecendo apoio operacional, os EUA realizaram múltiplos ataques aéreos e enviaram assessores militares para ajudar os oficiais afegãos.

    Citando a ONG Transparência Internacional, Kelly afirmou que os projetos estabelecidos pelos EUA para ajudar os moradores afegãos que fugiram das áreas ocupadas pelo Talibã não estão realmente ajudando os moradores locais.

    "É uma situação curiosa, porque quatro vezes por ano um relatório é arquivado […] e eles listaram por meio de muita documentação […] a corrupção e má administração da presença dos Estados Unidos no Afeganistão […] onde o dinheiro foi investido em projetos que encheram os bolsos de empreiteiros e nem sequer produziu o que eles haviam planejado", afirmou ela.

    Apesar de os habitantes locais também estarem passando por uma das piores secas dos últimos anos, Washington concentrou seus milhões de dólares em financiamento para a presença de suas tropas de aproximadamente 18.000 soldados e ataques aéreos. 

    "Os Estados Unidos estão gastando milhões de dólares todos os dias para manter suas tropas, suas forças operacionais especiais e bombardeios constantes, enquanto há pessoas que enfrentam cada vez mais o terror da morte pela fome ou sede", disse Kelly.

    Segundo Toby Lanzer, coordenador humanitário das Nações Unidas no Afeganistão, o país devastado pela guerra pode "enfrentar uma calamidade" se as autoridades internacionais não intervierem e oferecerem ajuda contra a seca, reportou a Al-Jazeera. A última grande seca terminou depois que a região foi atingida por grandes nevascas.

    Kelly acrescentou que "o desejo dos EUA de permanecer no país não tem nada a ver com a preocupação humanitária de proteger as pessoas do Talibã".

    "É uma manutenção de um sistema ganancioso e controlador e um desejo de enviar sinais para outros países da região que os Estados Unidos não irão embora", concluiu.

    Mais:

    Ataque do Talibã deixa 17 soldados afegãos mortos e 25 feridos
    São divulgados pormenores da primeira rodada de negociações entre EUA e Talibã
    Terroristas do Daesh e Talibã se destroem mutuamente e ao Afeganistão
    Tags:
    tropas, fome, seca, ajuda humanitária, armas, Talibã, Ghazni, Washington, Afeganistão, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar