04:57 16 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Soldados do Exército sírio na província de Idlib (foto de arquivo)

    Explosão em depósito de armas na Síria teria matado 39 pessoas, inclusive crianças

    © Sputnik / Ilia Pitalev
    Oriente Médio e África
    URL curta
    392

    Uma explosão em depósito de armas em uma cidade ocupada por rebeldes, no noroeste da Síria, provocou a morte de ao menos 39 civis, inclusive uma dezena de crianças, comunicou um observador no local.

    Um correspondente da agência AFP, que está agora na cidade de Sarmada, na província de Idlib perto da fronteira turca, comunicou que uma explosão de origem desconhecida causou o desabamento de dois prédios.

    Os bombeiros tiveram que usar um trator de esteiras para tirar os escombros e libertar as pessoas retidas, adiantou.

    "A explosão ocorreu em um depósito de armas em um prédio residencial em Sarmada", informou o chefe da organização de monitoramento britânica do local. Entretanto, as causas do incidente continuam desconhecidas.

    Um bombeiro levou o corpo imóvel de uma criança desde o local da explosão até à ambulância, comunica o correspondente, enquanto uma fonte nas forças de defesa civil comunicou à agência que havia mulheres e crianças entre os mortos.

    Entretanto, informa-se que cinco das pessoas tiradas dos escombros ainda estavam vivas.

    A maior parte da província de Idlib continua sendo controlada por rebeldes e pelos membros do agrupamento Tahrir al-Sham, enquanto o Daesh, organização terrorista proibida na Rússia, também possui células dormentes na área. Aliás, acredita-se que a maioria das pessoas mortas era de famílias relacionadas com Tahrir al-Sham.

    Mais:

    Jornalista britânico diz ter descoberto canal de entrega de armas a combatentes na Síria
    China se tornará 'pesadelo para EUA' na Síria? Analista explica
    VÍDEO mostra foguetes israelenses supostamente abandonados por terroristas na Síria
    Tags:
    acidente, explosão, Idlib, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik