05:21 15 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Reator atômico na usina nuclear de Bushehr, no sul do Irã (foto de arquivo)

    Irã vai receber 2ª remessa de urânio enriquecido da Rússia

    © AFP 2018 / ATTA KENARE
    Oriente Médio e África
    URL curta
    6334

    No futuro mais próximo, uma segunda remessa de urânio enriquecido será fornecida pela Rússia, declarou o porta-voz da Organização de Energia Atômica do Irã, Behrouz Kamalvandi.

    Conforme ele, após a assinatura do acordo iraniano, Teerã suspendeu a produção de combustível nuclear a 20% e transportou seus excedentes à Rússia em cerca de dez remessas. Entretanto, Kamalvandi notou que o país já recebeu a primeira remessa há cerca de sete meses.

    Líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, em foto de arquivo
    © AP Photo / Serviço de imprensa do líder supremo iraniano
    "Qualquer dessas remessas pode ser usada durante um ano, por isso temos combustível a 20% para o reator nuclear de investigação de Teerã por ao menos sete ou oito anos", disse o porta-voz citado pela edição Fars News.

    Ele também precisou que o Irã concordou em suspender a produção de urânio enriquecido sob condição de que o combustível nuclear seja fornecido do exterior.

    "Se o acordo nuclear continuar em vigor, as outras partes devem nos vender o combustível, mas se o acordo for rompido, nós não teremos obstáculos para produzir independentemente o combustível enriquecido até 20%", acrescentou Behrouz Kamalvandi.

    Em maio, o presidente norte-americano, Donald Trump, anunciou a retirada do país do acordo nuclear com o Irã. Os outros signatários do documento — Irã, China, França, Rússia, Reino Unido, Alemanha e União Europeia — criticaram a medida e apelaram à preservação do acordo.

    Mais:

    Gigante de energia da China assume a participação da Total em projeto de gás no Irã
    Almirante: Irã defenderá comércio nas águas territoriais em meio a sanções dos EUA
    'Ofensiva' econômica dos EUA contra Irã pode jogar contra o próprio Trump?
    Tags:
    acordo nuclear, reator nuclear, urânio enriquecido, Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Behrouz Kamalvandi, Donald Trump, Rússia, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik