00:55 11 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Presidente turco Recep Tayyip Erdogan discursa na cerimônia de entrega de prêmios em Ancara, Turquia, 3 de novembro de 2016

    Presidente da Turquia pede respeito aos EUA e ameaça fazer novos aliados

    © AFP 2018 / ADEM ALTAN
    Oriente Médio e África
    URL curta
    13360

    O presidente turco Recep Tayyip Erdogan expôs sua visão das relações entre Ancara e Washington descrevendo sua posição em um artigo no The New York Times.

    Erdogan está convicto de que as ações unilaterais dos Estados Unidos poderão em breve forçar a Turquia a buscar novos parceiros e aliados. 

    "Se os EUA não começarem a respeitar a soberania da Turquia e não provarem que entendem os perigos que o nosso país enfrenta, nossa parceria pode estar ameaçada", disse.

    Uma declaração semelhante já havia sido feita por Erdogan no final de julho. 

    "Não estamos atados aos EUA, eles não devem esquecer que, se não mudarem de atitude, perderão um forte e sincero aliado, representado pela Turquia", disse o presidente turco. 

    A razão para isso foram as ações do presidente dos EUA, Donald Trump, que ameaçou Ancara com sanções pela detenção prolongada do pastor Andrew Brunson.

    Ancara suspeita que Brunson mantinha contato com um pregador islâmico da oposição, Fethullah Gulen. A prisão do pastor causou tensão nas relações entre os dois países. Em particular, senadores norte-americanos disseram no final de abril que bloquearão o fornecimento dos últimos caças F-35 à Turquia.

    A Turquia considera Gulen terrorista e o culpa de organizar o golpe de Estado em 2016. Atualmente, ele mora nos EUA.

    Mais:

    EUA dobram tarifas sobre importações de aço e alumínio da Turquia
    Turquia está reforçando 'cruzada' contra o dólar
    Será que Turquia e EUA estão caminhando rumo à ruptura das relações?
    Tags:
    respeito, soberania, F-35, Fethullah Gulen, Andrew Brunson, Donald Trump, Recep Tayyip Erdogan, Ancara, EUA, Turquia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik