17:17 16 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Míssil Ghadr-H frente ao retrato do supremo líder iraniano, Ali Khamenei, Teerã

    EUA querem provocar revolta da população do Irã com sanções, diz ex-oficial da CIA

    © AP Photo / Vahid Salemi
    Oriente Médio e África
    URL curta
    554

    A administração Trump está aumentando suas sanções econômicas contra o Irã na esperança de desencadear uma revolta interna contra o governo de Teerã, apesar de tal cenário ser extremamente improvável, disse o oficial aposentado da CIA Phil Giraldi à Sputnik nesta segunda-feira (6).

    "Washington está claramente esperando que a população seja ouvida em todo o país e que os iranianos se revoltem", disse Giraldi, que também serviu como oficial da inteligência do Exército dos EUA.

    Uma autoridade do governo dos EUA disse na segunda-feira que Washington iria reimpor sua primeira onda de sanções contra o Irã desde a retirada do acordo nuclear à meia-noite [nos EUA], enquanto uma segunda onda de sanções entraria em vigor em 4 de novembro.

    Mais tarde, na segunda-feira, o chanceler iraniano, Mohammad Javad Zarif, disse que a decisão de Washington de restabelecer as sanções contra a República Islâmica, particularmente contra a indústria de aviação civil de Teerã, visava desestabilizar o país, informou a mídia local.

    A bandeira do Irã em frente do foguete Safir Omid antes do seu lançamento
    © AFP 2018 / STR / Vahidreza Alai
    De acordo com a agência de notícias Tasnim, Zarif acusou os Estados Unidos de tentar "incitar o caos no Irã". O diplomata acrescentou que tal política dos EUA é resultado do isolamento internacional de Washington. 

    Girardi alertou que é improvável que a administração atinja seu objetivo de enfraquecer ou derrubar o governo de Teerã.

    "Não é um cenário provável, mas um indicador de quão falida é a política dos EUA em relação ao Irã", disse ele.

    Giraldi observou que ainda havia grande incerteza se os aliados de Washington que permaneceram dentro do acordo nuclear concordariam com as sanções ou se recusariam a cooperar.

    "Tudo depende do quanto os outros parceiros comerciais estão dispostos a cumprir as atuais e novas sanções, que são incognoscíveis no momento, além da Turquia, Rússia e China, que indicaram que não vão se submeter", disse o ex-agente da CIA.

    A tentativa de trazer nova pressão econômica para Teerã poderia, ao invés disso, levar os Estados Unidos a um conflito financeiro com as outras grandes potências que anteriormente cooperaram com Washington na questão, alertou Giraldi.

    "Se os europeus se recusarem a se curvar, os EUA terão que sancionar todos eles e seus bancos centrais, o que criaria uma situação muito interessante", disse ele.

    Se a administração Trump ter sucesso em seus esforços para impor sanções adicionais, o provável resultado imediato seria simplesmente impor dificuldades às pessoas comuns do Irã, opinou Giraldi.

    Mais:

    Trump provoca crise na Europa por causa do Irã?
    UE vai bloquear novas sanções dos EUA contra Irã para defender negócios
    Irã efetua exercícios navais no golfo Pérsico para neutralizar possíveis ataques
    Mike Pompeo diz que sanções são 'pilar' da política dos EUA com o Irã
    Mídia: Sauditas admitem primeiro diplomata do Irã desde o encerramento de relações em 2016
    Tags:
    CIA, Philip Giraldi, Irã, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik