19:04 21 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    13450
    Nos siga no

    A participação da China da operação antiterrorista na Síria seria um "cenário de pesadelo" para os EUA porque, nessa situação, todo o país poderia passar para o controle de Damasco, informa a edição austríaca Contra Magazin.

    O autor do artigo cita as palavras do embaixador chinês em Damasco, Qi Qianjin, que anteriormente declarou as intenções de Pequim de prestar mais ajuda ao povo e ao governo sírios.

    Segundo a edição, atualmente na província de Idlib operam jihadistas oriundos da China que estão ligados à Al-Qaeda (organização terrorista proibida na Rússia), "apoiada pelos EUA e países do golfo Pérsico". Pequim, por sua vez, está interessada em "eliminar os terroristas uigures que nos últimos anos chegaram à Síria vindos da China".

    A este respeito, Qi Qianjin sublinhou que a guerra antiterrorista na Síria "é para o benefício não apenas do povo sírio, mas também da China e de todo o mundo".

    De acordo com a Contra Magazin, se a China começar a participar ativamente do conflito sírio, como a Rússia e o Irã já fazem, o governo sírio recuperará o controle total sobre seu território, mas, para Washington e os países do golfo Pérsico, isso se tornaria um "cenário de pesadelo".

    Mais:

    Como guerra comercial de Trump pode desmoronar Apple?
    Tags:
    conflito, guerra civil, Al-Qaeda, China, Síria, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar