03:25 20 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Militar sírio hasteia bandeira da Síria na praça central da cidade de Quneitra, 27 de julho de 2018

    Israel: frente síria será mais tranquila se governança de Assad for restaurada

    © REUTERS / Omar Sanadiki
    Oriente Médio e África
    URL curta
    646

    O ministro da Defesa de Israel, Avigdor Lieberman, declarou que a frente síria será mais tranquila se no território for reestabelecido o controle do governo de Bashar Assad.

    "Do nosso ponto de vista, a situação está regressando para como era antes da guerra civil, ou seja, há um endereço real, alguém responsável e um poder centralizado", afirmou Lieberman.

    Respondendo a uma pergunta se Israel deve estar menos preocupado com as possíveis tensões ligadas às Colinas de Golã, o ministro disse que "acredito que sim".

    O governo sírio está reestabelecendo seu controle no país, realizando operações militares contra jihadistas no sul da Síria.

    Em julho, o ministro da Defesa de Israel, Avigdor Lieberman, prometeu uma "resposta dura" a qualquer tentativa do exército sírio de entrar nas Colinas de Golã, que se tornaram uma zona desmilitarizada segundo o acordo de 1974 sobre a separação das tropas israelenses e sírias.

    Ao mesmo tempo, ele esclareceu que não exclui "uma espécie de relações” entre Israel e a Síria, embora os dois países “estejam muito longe disso".

    Israel se apropriou das Colinas de Golã na sequência da Guerra dos Seis Dias em 1967 e, mais tarde, anexou-as unilateralmente em 1981. Desde então, a soberania sobre a área tem sido tema de discussões sobre os direitos territoriais de Israel na região. Antes da guerra, a área pertencia à Síria e a ONU a considera como "território ocupado", enquanto Israel a define como "território disputado".

    Mais:

    Forças Armadas da Rússia agradecem Israel por atacar Daesh na Síria
    Rússia: tropas dos EUA não têm base legal para continuar atuando na Síria
    Tags:
    guerra civil, Bashar Assad, Colinas de Golã, Israel, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik