04:56 16 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Artilharia do Exército saudita dispara contra o Iêmen a partir de um posto perto da fronteira saudita-iemenita, no sudoeste do país, em 13 de abril de 2015. A Arábia Saudita lidera uma coalizão de vários países árabes realizando ataques aéreos contra os rebeldes xiitas Huthis que invadiram a capital Sanaa em setembro e se expandiram para outras partes do Iêmen.

    Coalizão saudita diz ter destruído locais de lançamento de mísseis rebeldes no Iêmen

    © AFP 2018 / FAYEZ NURELDINE
    Oriente Médio e África
    URL curta
    2510

    A coalizão militar liderada pela Arábia Saudita disse neste domingo (29) que destruiu locais usados ​​por rebeldes huthis no vizinho Iêmen para lançar mísseis no reino.

    Em um comunicado divulgado pela TV Al Ekhbariya, do governo da Arábia Saudita, a coalizão anunciou a "destruição de mísseis balísticos administrados pelas milícias Huthi em Saada", uma província do norte do Iêmen que faz fronteira com a Arábia Saudita e é controlada pelos Huthis.

    A Arábia Saudita e seus aliados estão lutando ao lado do governo do Iêmen contra os hutis apoiados pelo Irã em uma guerra que já matou quase 10 mil pessoas e levou o empobrecido Iêmen à beira da fome.

    A Arábia Saudita sofre ataques de mísseis cada vez mais frequentes, lançados pelos Huthis do norte do Iêmen.

    As forças de defesa aérea de Riad dizem que interceptaram todos os mísseis e apenas uma vítima foi relatada.

    A Arábia Saudita, maior exportador de petróleo do mundo, anunciou na semana passada que suspendeu temporariamente as remessas de petróleo através do Estreito de Bab al-Mandab, após um ataque com mísseis Huthi contra um navio da Aramco.

    O estreito liga o Mar Vermelho ao Mar Arábico e é uma passagem crucial para o petróleo e o comércio.

    "A coalizão não permitirá que as milícias Huthi construam capacidades militares que ameaçam as águas regionais", diz a declaração da coalizão saudita de domingo.

    A aliança liderada pela Arábia Saudita interveio no Iêmen em 2015 para apoiar o governo internacionalmente reconhecido do país depois que os rebeldes Huthi forçaram o presidente Abedrabbo Mansour Hadi a sair da capital Sanaa.

    Mais:

    Coalizão mata terroristas que planejavam ataques contra EUA, Arábia Saudita e Suécia
    Ataque em posto de segurança da Arábia Saudita deixa vários mortos
    Primeira modelo da Arábia Saudita desfila em Paris (FOTOS, VÍDEO)
    Arábia Saudita desmente Trump sobre promessa de aumentar produção de petróleo
    Especialista: plano da Arábia Saudita de tornar Qatar uma ilha está condenado ao fracasso
    Após decisão histórica na Arábia Saudita, aplicativo contrata motoristas mulheres
    Tags:
    Saudi Aramco, Iêmen, Arábia Saudita
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik