22:23 20 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Médicos e enfermeiros em missão de combate ao ebola na Libéria, em 30 de janeiro de 2015

    Liberiana infecta sua família um ano depois de ter sobrevivido ao ebola

    © AP Photo / Abbas Dulleh
    Oriente Médio e África
    URL curta
    110

    Os resultados do estudo indicam que há um risco de a doença reaparecer em sobreviventes e os surtos se espalharem em larga escala.

    Uma mulher liberiana de 33 anos, que sobreviveu a uma infecção do ebola em 2014, infectou o marido e dois filhos um ano depois, de acordo com um estudo publicado na revista The Lancet.

    Segundo os pesquisadores, este é o primeiro caso de transmissão da doença para outras pessoas por uma mulher que sobreviveu ao vírus. Os cientistas descobriram a presença de anticorpos contra o vírus em seu organismo, o que comprova que a mulher já havia estado infectada.

    Os cientistas supõem que, quando a mulher deu à luz seu terceiro filho, o vírus se reativou e infectou três membros da família, uma vez que a gravidez é capaz de transformar uma infecção latente em uma doença sintomática, segundo os especialistas.

    O filho de 15 anos da liberiana morreu depois da infecção, mas seu marido e outro filho de 8 anos se recuperaram mediante tratamento médico. Quanto ao terceiro filho, a doença não o afetou devido à transferência de anticorpos pela mãe.

    Os resultados do estudo apontam que há um risco de reaparecimento da doença e o surgimento de surtos de ebola em larga escala. Por isso os pesquisadores enfatizam a importância de se concentrar em medidas preventivas para evitar o ressurgimento da infecção em sobreviventes do ebola.

    Mais:

    Angola, um aliado fiel da Rússia que pode ajudar a estreitar laços com África
    EUA veem África como 'importante mercado futuro' e querem ampliar presença na região
    Ebola volta a assustar: República Democrática do Congo já tem quase 30 casos confirmados
    Tags:
    morte, vírus, ebola, Libéria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik