12:31 14 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Policial sul-africano é visto perto da entrada no centro onde se decorre a cúpula dos BRICS 2018, em Johannesburgo

    Como BRICS pode ajudar 4ª revolução industrial a acontecer? Político russo explica

    © REUTERS / Mike Hutchings
    Oriente Médio e África
    URL curta
    Ekaterina Nenakhova
    Cúpula do BRICS 2018 (12)
    8202

    Hoje (25), na cidade sul-africana de Joanesburgo, começa a 10ª cúpula dos BRICS, que tem como foco a quarta revolução industrial e o desenvolvimento das tecnologias modernas. A Sputnik está acompanhando o evento no local e conseguiu falar com Arkady Dvorkovich, alto responsável russo, sobre a principal pauta da reunião.

    O governo sul-africano, que preside a organização pelo protocolo no período entre 1º de janeiro de 2018 e 31 de dezembro de 2018, definiu como o tema principal da cúpula a "Colaboração para Crescimento Inclusivo e Prosperidade Comum em meio à Quarta Revolução Industrial".

    ​Para incentivar o respectivo diálogo, as autoridades da África do Sul convidaram centenas de especialistas de todo o mundo, e não só dos países-membros do bloco. Assim, o evento também conta com a participação de outros 9 países africanos, inclusive Angola, e os Estados convidados no âmbito do projeto proposto pela China no ano passado, ou seja, BRICS+. Entre eles estão Argentina, Indonésia, Egito, Jamaica e Turquia.

    Em uma conversa com a Sputnik nas margens do fórum, o ex-vice-presidente do governo russo, economista e funcionário público, Arkady Dvorkovich, contou quais serão os principais temas de discussão nesta cúpula.

    "A agenda de hoje contém questões bem básicas que, porém, não deixam de ser atuais. Eu quero dizer inclusive a introdução de novas tecnologias, relacionadas com a quarta revolução industrial, nas economias de nossos países, tanto nos países dos BRICS, quanto nos países da África que são parceiros dos BRICS nesta cúpula. Ademais, se trata de tais temas como o comércio e o investimento — [para que haja] menos barreiras, mais decisões justas e, respectivamente, mais implicações para o desenvolvimento econômico das nossas nações", explicou.

    ​O político russo enfatizou que se refere nomeadamente a "novos mecanismos financeiros" que mantenham o desenvolvimento coletivo do bloco e os investimentos no chamado "capital humano".

    "Tudo isso está sendo ativamente discutido, vou me repetir, isso é crucial já por muitos anos, mas de cada vez subimos para um novo patamar. Algo que foi discutido antes já foi feito, outras coisas começam a ser feitas", sublinhou Dvorkovich.

    O alto responsável russo, sendo membro do Conselho de Gestão do centro de inovações Skolkovo, considera como muito importantes os temas em discussão no corrente fórum.

    "Estou aqui por parte do centro de inovações Skolkovo, e claro que para mim [é importante] o tema das inovações e novas tecnologias, ligadas ao uso de big data, a tudo o que tem a ver com novos materiais, neurotecnologias… Acho que em um futuro muito breve tudo isso vai se tornar o principal foco da pauta. O mais importante é garantir o respectivo acesso a essas tecnologias para um número significativo de pessoas", concluiu.

    Tema:
    Cúpula do BRICS 2018 (12)

    Mais:

    Documentos finais do Fórum Midiático do BRICS incluem sugestões da Sputnik
    Putin e Erdogan discutem usina nuclear e acertam reunião paralela à cúpula dos BRICS
    Rússia aposta na liderança do Banco dos BRICS em empréstimos sem garantia soberana
    O que devemos esperar da presidência sul-africana no bloco BRICS?
    Tags:
    Quarta Revolução Industrial, cúpula, investimentos, BRICS 2018, Skolkovo, Arkady Dvorkovich, Johannesburgo, África do Sul, Índia, China, Rússia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik