06:30 17 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Ministério das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif

    'Vimos a queda de impérios': ministro iraniano aconselha EUA a 'terem cuidado'

    © AP Photo / Petr David Josek
    Oriente Médio e África
    URL curta
    16291

    As ameaças de Donald Trump quanto às "consequências, como poucos sofreram algum dia na história" não impressionaram o Irã, que as escuta há 40 anos, segundo declarou Mohammad Javad Zarif, ministro das Relações Exteriores do Irã.

    Por sua vez, os militares iranianos apoiaram a postura de seus dirigentes apresentando um novo míssil ar-ar.

    Mohammad Javad Zarif publicou sua resposta através do Twitter.

    NÃO NOS IMPRESSIONAM: O mundo ouviu arrogâncias ainda piores há alguns meses. E os iranianos têm ouvido isso deles — ainda que de forma mais civilizada – há 40 anos. Estamos aqui há milênios e vimos a queda de impérios, incluindo o nosso, que durou mais do que a vida de alguns países. TENHAM CUIDADO!

    Uma forte discussão eclodiu depois que o presidente iraniano, Hassan Rouhani, advertiu os Estados Unidos para não desencadearem uma guerra contra o Irã porque esse conflito seria a "mãe de todas as guerras"

    As relações entre os dois países se deterioraram consideravelmente com a chegada da administração Trump. 

    Os EUA abandonaram unilateralmente o acordo nuclear firmado em 2015 que deveria acabar com o programa nuclear de Teerã em troca do cancelamento das sanções internacionais contra Teerã. 

    Além de ser um aliado de Israel, um "rival histórico" do Irã, Washington compartilha a posição de Tel Aviv sobre a inadmissibilidade da presença de forças iranianas na Síria.

    Para dar mais peso à sua política, os EUA se empenham em sufocar economicamente o Irã através de sanções e pressionam seus aliados a não comprar petróleo iraniano, a mais importante fonte de renda de Teerã.

    Militares de alta patente iranianos ecoaram as declarações de seus líderes e forneceram seus próprios comentários.

    "As palavras de Trump sobre o Irã são guerra psicológica. Ele não está em posição de agir contra nós", afirmou o brigadeiro-general Qolam-Hossein Gheibparvar, citado pela rede PressTV iraniana.

    Os militares asseguraram que o povo iraniano e as forças armadas do país "enfrentarão os expansionistas, as potências arrogantes e os assediadores" porque o caminho para a prosperidade exige "resistir e superar inimigos e criminosos".

    "Os Estados Unidos só ficarão felizes com a nossa aniquilação", alertou o militar.

    Na segunda-feira, 23 de julho, o Irã deu a conhecer a fábrica de produção do novo míssil ar-ar de médio alcance Fakour.

    O novo projétil é o primeiro desse tipo fabricado pelo país e faz parte dos avanços de Teerã nesta área.

    Apesar das sanções dos EUA contra a indústria militar do país, os militares iranianos ressaltaram que o país conseguiu criar um míssil poderoso e que a produção em massa do Fakour contribuirá para aumentar a capacidade de defesa do Irã.

    "Hoje vivemos em um ambiente repleto de inimigos sem vergonha e pessoas mal-intencionadas, como os atuais líderes dos EUA e alguns de seus aliados, que não entendem nada além da linguagem da força", disse o ministro da Defesa iraniano Amir Hatami.

    Segundo dados disponíveis, o Fakour pode ser lançado de qualquer aeronave de combate, incluindo os caças F-14 em serviço no Irã, e tem um alcance entre 100 e 150 quilômetros. Se as características anunciadas forem reais, o projétil pode ser comparável com análogos recentes fabricados por diferentes países.

    Mais:

    Irã adverte EUA contra o bloqueio de petróleo e diz querer restaurar relações com sauditas
    Ocidente realmente busca 'defender' a Turquia ou de fato cercar o Irã?
    Pressão externa ou fatores internos: o que levou aos problemas econômicos do Irã?
    Tags:
    míssil ar-ar, ameaças, sanções, Donald Trump, Hassan Rouhani, Mohammad Javad Zarif, Irã, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik