21:19 17 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Avião de transporte dos EUA na base aérea da OTAN em Incirlik, na Turquia

    Ocidente realmente busca 'defender' a Turquia ou de fato cercar o Irã?

    © AP Photo / Emrah Gurel
    Oriente Médio e África
    URL curta
    6019

    Durante a cúpula da OTAN, os países integrantes aprovaram uma declaração conjunta sobre a proteção da Turquia contra a possível ameaça proveniente da Síria. Não obstante, os especialistas concordam que o verdadeiro objetivo da aliança é tirar partido do território turco e cercar o Irã.

    A declaração emitida pela Aliança Atlântica refere que "a OTAN continua monitorando e avaliando a ameaça de lançamento de mísseis balísticos provenientes da Síria contra a Turquia". O documento aponta que as medidas de resposta aos desafios à segurança turca, cada vez maiores no sul do país, contribuem para a segurança de toda a Aliança.

    O especialista em relações internacionais da Universidade de Ancara, Hasan Unal, criticou a falta de clareza sobre o conceito de "ameaça" mencionado no documento.

    Além disso, o analista também enfatizou que a principal ameaça para a Turquia na direção sul provém não do exército sírio, mas das Unidades de Proteção Popular (YPG), ou seja, das milícias curdas que Ancara qualifica como terroristas, bem como dos seus "patrocinadores norte-americanos".

    Assim, o interlocutor da Sputnik Turquia relembrou que os primeiros mísseis foram lançados contra a Turquia a partir dos territórios controlados pelo Daesh (grupo terrorista proibido na Rússia e em outros países) ou por combatentes curdos antes do começo da operação em Afrin.

    "A determinação da ameaça na declaração não parece muito clara. Acho que Ancara não deveria ter aceitado um documento tão impreciso […] Ao aprová-lo, a Turquia ficou entre os países que apoiam a intenção de cercar o Irã e exercer pressão sobre este país", explicou Unal.

    O diretor do instituto Turquia do Século XXI, Cahit Armagan Dilek, também indicou que a declaração tem em geral um caráter anti-iraniano.

    "De fato, a 'ameaça terrorista', mencionada pela OTAN, pode se tornar em breve em 'ameaça iraniana", de acordo com a retórica utilizada. Imaginamos que a Aliança esteja disposta a aplicar todas as suas forças em um confronto contra o Irã", afirmou ele à Sputnik.

    O especialista advertiu que a Aliança Atlântica se encarregará da reconstrução no leste do Eufrates e da formação de militares e civis com o objetivo de garantir a estabilidade na área, antes que a nova Constituição síria entre em vigor.

    "É muito provável que esta tenha sido a causa dos EUA não se retirarem da Síria e tentarem atrair outros países ocidentais para a região", acrescentou Dilek.

    Outra parte das tropas da OTAN poderia se dirigir ao território turco. Embora estas possam apoiar a Turquia e proteger o país contra os jihadistas, poderiam, na verdade, também se opor a Teerã.

    Nesse contexto, o cientista político ressaltou que as autoridades turcas não deveriam autorizar a presença de tropas estrangeiras em seu território. "Nesta situação, não está claro quando é que as forças da OTAN iriam abandonar o território", concluiu.

    Mais:

    Chancelaria da Rússia chama OTAN de 'inútil'
    Moscou: Instabilidade no Oriente Médio é resultado de aventuras militares da OTAN
    OTAN em plena expansão: mais um país está prestes a entrar na Aliança
    Tags:
    cimeira, OTAN, Turquia, Irã, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik