14:34 23 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Soldados do exército sírio em seus caminhões militares gritando lemas em apoio ao presidente sírio Bashar Assad, entrando em uma aldeia perto da cidade de Jisr al-Shughour, ao norte de Damasco, Síria (foto de arquivo)

    Exército sírio toma controle sobre fronteira com Jordânia

    © AP Photo /
    Oriente Médio e África
    URL curta
    4361

    O exército sírio tomou sob controle a fronteira com a Jordânia, a província de Daraa está praticamente livre dos terroristas. A operação foi efetuada com um número mínimo de perdas, afirmou nesta quinta-feira (12) a representante oficial do Ministério das Relações Exteriores russo, Maria Zakharova.

    De acordo com ela, no sudoeste da Síria está começando a última fase de limpeza da província de Daraa e Quneitra dos terroristas.

    "No momento, a província de Daraa está praticamente toda livre dos terroristas, foi fechado um acordo sobre regularização da situação nos quarteirões do sul e sudeste do centro administrativo de Daraa, que por mais de sete anos permaneceram sob controle das formações armadas ilegais", assinalou Zakharova durante o briefing.

    "O exército sírio tomou sob controle a fronteira com a vizinha Jordânia, assegurando assim a possibilidade de reabertura do tráfego pela rodovia internacional Beirute-Damasco-Amã. A libertação do sudoeste [da Síria] foi efetuada com um número mínimo de perdas", acrescentou a representante do ministério russo.

    Maria Zakharova destacou também que tal foi possível graças aos acordos firmados com as unidades da oposição armada que se separaram da Frente al-Nusra e do Daesh (organizações terroristas proibidas na Rússia e em vários outros países).

    Além disso, a representante da chancelaria enfatizou o "papel especial" dos oficiais russos do Centro Russo de Reconciliação, bem como da polícia militar, nos últimos avanços do exército da Síria.

    Tags:
    operação, controle, terroristas, fronteira, Daraa, Síria, Jordânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik