21:07 18 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Nuvens (imagem referencial)

    Como e por que motivo Israel estaria 'roubando' nuvens do Irã?

    CC0 / Pixabay
    Oriente Médio e África
    URL curta
    211427

    Na semana passada, o chefe do Departamento de Defesa Civil do Irã, Gholamreza Jalali, acusou Israel de tentar afastar as nuvens na região, privando o país de chuva. Especialistas comentam se as afirmações do Irã têm sentido ou se são mera fantasia.

    Segundo afirmou Jalali, "Israel e outro país na região têm equipes conjuntas cujo trabalho é garantir que as nuvens que entram no céu do Irã sejam incapazes de produzir chuva".

    O general iraniano também citou dados científicos que mostram que nos últimos quatro anos todos os picos montanhosos acima de 2,2 mil metros em toda a região desde o Afeganistão até o mar Mediterrâneo têm estado cobertos com neve, com exceção dos do Irã.

    O chefe do Laboratório de Climatologia do Instituto de Ciências da Rússia, Vladimir Semenov, acredita que, em teoria, as declarações de Jalali fazem sentido, mas apenas se tomarmos em consideração o seguinte fato: Israel não pode influenciar as nuvens a partir do seu território, já que se encontra a mais de mil quilômetros do Irã, pois tais operações só se realizam a nível local.

    "De fato, podem ser usados aviões com canhões cheios de substâncias especiais para afastar as nuvens carregadas de chuva. […] São utilizadas substâncias orgânicas, que não representam ameaça para o ambiente que fazem com que a chuva ou neve caiam na terra antes que as nuvens cheguem a determinada zona […] Assim, o processo de dissuasão de nuvens se realiza a cerca de 50-100 km do lugar onde é necessário criar bom tempo", explicou o cientista russo, detalhando que, entre as substâncias aplicadas nas nuvens, estão partículas de gelo seco, cristais de nitrogênio líquido, iodeto de prata. 

    Além disso, Semenov ressaltou que o possível uso de equipamentos especiais não teria passado despercebido no espaço aéreo do Irã e dos países vizinhos.

    Porém, o cientista político israelense Simon Tsipis, do Instituto de Estudos para Segurança Nacional (Institute for National Security Studies, INSS), admitiu o fato de, em condições de uma guerra híbrida, Israel poderia ter recorrido a tal método para influenciar a situação política no Irã.

    "Hoje em dia estamos testemunhando uma guerra híbrida que vai além dos limites de uma guerra comum: são utilizados todos os meios, incluindo os capazes de influenciar o clima e o tempo", opinou o analista em entrevista à Sputnik Persa.

    Tsipsis lembrou que ainda na época da Guerra Fria estavam sendo desenvolvidas armas que pudessem mudar o clima e as condições climáticas, por isso não exclui que este tipo de armamentos esteja agora sendo usado contra o Irã.

    Que objetivo poderia perseguir Israel ao influenciar o clima do Irã? Uma das razões indicadas pelo analista israelense é que o Irã atualmente é a principal ameaça estratégica para Israel, pois "está acumulando suas forças armadas na Síria, perto das fronteiras israelenses".

    Além disso, sublinha, Israel poderia estar utilizando armas climáticas para provocar maior descontentamento social com o governo do país e mudar o regime político na república islâmica, pois as atuais autoridades iranianas não correspondem aos interesses de Tel Aviv.

    "Há uma opção militar — lançar ataques aéreos contra instalações nucleares iranianas. A segunda opção é mudar o regime", disse o interlocutor da Sputnik.

    Se a mudança de condições climáticas puder contribuir para a mudança de regime no Irã, Israel, junto com outro país, poderá mesmo recorrer a tal possibilidade, acredita Tsipsis, mas duvida que seja um país regional, mas sim os Estados Unidos.

    "Os EUA têm a sua própria infraestrutura militar no Oriente Médio: bases militares, localizadas perto do Irã em países como os Emirados Árabes Unidos, Qatar, Arábia Saudita e Kuwait. É muito provável que façam isso a partir do território da Arábia Saudita. Os EUA podem estar ajudando Israel, pois possuem o equipamento necessário capaz de manipular as nuvens a nível local, ou seja, influenciar condições climáticas no Irã.

    Como tal influência a partir de um território próximo ao Irã é possível teórica e tecnicamente, o analista conclui que Israel pode mesmo estar manipulando as condições climáticas no Irã para alcançar o seu objetivo: mudar o regime iraniano. "Eu não excluo isso", disse.

    Em 30 de junho, no sul do Irã a população protestou contra a grande falta de água potável causada por uma seca que atingiu a região. Os manifestantes acreditam que os problemas com a água estão ligados à má política econômica do governo iraniano. As autoridades, por sua parte, apontaram para uma interferência exterior e uma guerra climática iniciada contra o Irã.

    Mais:

    Netanyahu: Israel não atacará Síria se os acordos forem respeitados
    Força aérea da Síria intercepta ataque de Israel
    Tags:
    armas, mudanças climáticas, condições, tempo, clima, Kuwait, Qatar, Arábia Saudita, EUA, Síria, Israel, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik