01:48 19 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Militantes atiram morteiro contra as forças leiais ao presidente sírio Bashar Assad, em Quneitra, na fronteira com a região das colinas de Golã, ocupadas pelo por Israel.

    Força aérea da Síria intercepta ataque de Israel

    © REUTERS / Alaa Al-Faqir
    Oriente Médio e África
    URL curta
    10220

    Segunda a mídia local reportou ainda nesta quarta-feira (11), as forças de defesa da Síria bloquearam um ataque israelense sobre a Província de Quneitra, na região sul do país.

    As notícias vieram à tona apontando atividade intensa das Força de Defesa de Israel (FDI) na região da Sìria. 

    O ataque vem logo após os militares israelenses terem anunciado o lançamento de mísseis anti-aéreos Patriot sobre o um drone sírio que teria supostamente entrado no espaço aéreo de Israel. Uma gravação do lançamento foi divulgada em seguida pelos oficiais de Israel.

    Há ainda fontes militares que afirmam que as FDI atiraram sobre postos do exército sírio próximos às cidades de Hadar e Juba. Segundo a agência de notícias SANA, apenas danos materiais foram causados pelos ataques, sem nenhuma vítima fatal ou feridos confirmados.

    Falando sobre o ataque anterior, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu disse ao presidente russo, Vladimir Putin, nesta quarta-feira (11) que não teve intenções de derrubar o governo de Assada, mas expulsar as forças iranianas do que chamou de Síria devasatada pela guerra, segundo afirmou a canal de notícias News Asia citando uma fonte oficial de Israel.

    De acordo com o Comitê para a Proteção de Jornalistas, cerca de 70 repórteres e trabalhadores da mídia estão atualmente presos nas províncias sírias de Quneitra e Daraa após ficarem entre as forças alinhadas ao presidente sírio Bashar Assad e as fronteiras fechadas de Israel e Jordânia.

    Tags:
    Guerra da Síria, Forças de Defesa de Israel (FDI), Benjamin Netanyahu, Vladimir Putin, Bashar Assad, Quneitra, Daraa, Síria, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik