01:48 19 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Shaparak Shajarizadeh, de 42 anos, diz que foi condenada a dois anos de prisão por remover seu hijab em protesto no Irã.

    Mulher iraniana diz que foi condenada a 2 anos de prisão por protesto anti-Hijab (VIDEO)

    © Screenshot / mahsti25
    Oriente Médio e África
    URL curta
    112

    Uma mulher iraniana que retirou seu hijab em público em protesto em dezembro disse que foi sentenciada a dois anos de prisão e recebeu outros 18 anos em uma sentença já revogada.

    Shepark Shajarizadeh, 42 anos, fez as alegações em um vídeo postado na mídia social em 10 de julho. Em seu site pessoal ela escreveu que foi presa por "se opor ao hijab compulsório" e por "acenar uma bandeira branca de paz na rua".

    O protesto fazia parte de um movimento mais amplo que resultou na prisão de 35 pessoas no Irã entre dezembro de 2017 e fevereiro de 2018, de acordo com a Anistia Internacional (reportagens colocam o número preso em 29). As mulheres foram presas por removerem a capa da cabeça como parte do movimento de protesto "quartas-feiras brancas".

    A advogada de Shajarizadeh, Nasrin Sotoudeh, disse à Anistia Internacional que foi colocada em uma solitária em Teerã e depois espancada. Shajarizadeh foi libertada sob fiança no final de abril. Sotoudeh teria sido presa em junho.

    O presidente Donald Trump, prometeu "grande apoio dos Estados Unidos" aos protestos. A embaixadora dos EUA na ONU, Nikki Haley afirmou em janeiro que "todas as pessoas que amam a liberdade devem apoiar sua causa".

    Na véspera do discurso de Haley, o Ministério das Relações Exteriores da Rússia alertou sobre "interferência externa" no Irã durante os distúrbios.

    O governo iraniano não comentou as alegações de Shajarizadeh.

    Tags:
    Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Anistia Internacional, Nikki Haley, Nasrin Sotoudeh, Shepark Shajarizadeh, Donald Trump, Estados Unidos, Irã, Teerã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik