01:49 19 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Funcionário do setor petrolífero iraniano vai de bicicleta  perto da refinaria petrolífera no sul de Teerã, Irã

    Vice-presidente: Irã vai vender tanto petróleo quanto puder, apesar de sanções dos EUA

    © AP Photo / Vahid Salemi
    Oriente Médio e África
    URL curta
    4151

    O vice-presidente iraniano, Eshaq Jahangiri, afirmou nesta terça-feira (10) que seria errado pensar que as sanções dos EUA contra Teerã não teriam qualquer efeito sobre a economia iraniana.

    seria errado pensar que as sanções dos EUA contra Teerã não teriam qualquer efeito sobre a economia iraniana.

    Eshaq Jahangiri assinalou que o Irã "vai vender tanto petróleo quanto puder" apesar dos esforços dos EUA de reduzir as exportações iranianas do mesmo, disse ele citado pela agência de notícias Fars.

    Anteriormente, o presidente iraniano, Hassan Rouhani, advertiu o presidente norte-americano, Donald Trump, sobre as consequências das novas sanções contra Teerã.

    O presidente iraniano acrescentou que o país manterá sua postura firme contra a pressão de Washington.

    No início de julho, Donald Trump exigiu que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) fizesse mais para aumentar a produção e reduzir os preços globais do petróleo. O ministro iraniano de petróleo, Bijan Zanghaneh, criticou a postura de Donald Trump, qualificando as exigências de Trump como um "grande insulto a esses governos e nações".

    No final de junho, os integrantes da OPEP e outros grandes produtores de petróleo que em 2016 participaram do Acordo de Viena, concordaram em aumentar a produção do mesmo até um milhão de barris por dia. O acordo, que entrou em vigor em 2017, foi prorrogado por duas vezes desde então e o seu efeito durará até o final de 2018.

    Mais:

    Irã: EUA estão isolados no debate sobre programa nuclear iraniano
    Irã diz que sanções de Trump são um 'tiro no pé dos EUA'
    Irã arranja forma de contornar as sanções de Washington
    Tags:
    sanções, Eshaq Jahangiri, EUA, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik