02:31 23 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Bjoern Hoecke, presidente do Alternative fuer Deutschland (AfD) no estado alemão da Turíngia.

    Partido alemão AfD aprova resolução que pede o fim das sanções da UE contra a Síria

    © AP Photo / Jens Meyer
    Oriente Médio e África
    URL curta
    440

    Os filiados do Alternativa para a Alemanha (AfD) aprovaram durante convenção partidária em Augsburg, uma resolução pedindo o fim das sanções econômicas da União Europeia contra a Síria em uma tentativa de ajudar os esforços contínuos de Damasco para estabilizar o país e fornecer serviços públicos adequados.

    A resolução foi submetida por Christian Blex e outros filiados do partido que visitaram a Síria em março para avaliar a situação do país.

    Apresentando a resolução, Blex, que é membro do Parlamento alemão (Bundestag) alertou para os efeitos prejudiciais das sanções à disponibilidade de assistência médica aos sírios que decidiram permanecer em seu país de origem, especialmente aqueles de baixa renda e com recursos limitados para buscar tratamento no exterior.

    “Elas [as sanções] visam seres humanos que os estados europeus supostamente querem proteger. As sanções da UE contra a Síria são uma causa de fuga; sua remoção beneficiaria a economia da Alemanha”, disse Blex. “Exigimos que a Alemanha não seja mais cúmplice das sanções, que são um instrumento de poder contra o atual governo. Um prolongamento do sofrimento do povo sírio para derrubar o presidente Bashar Assad é incompatível com os princípios da AfD e não estão no radar do interesse nacional alemão”, diz a resolução.

    Além disso, a resolução pediu que o governo alemão e a própria UE restabelecessem relações diplomáticas com Damasco para “encontrar uma solução que assegure o processo de reconstrução pacífica do país”, destacando que a reconstrução da Síria e a revitalização de sua economia nacional estão firmemente no interesse da Alemanha.

    Os membros da AfD também aprovaram uma resolução em 1º de julho condenando a agressão tripartida do Reino Unido, EUA e França contra a Síria no início deste ano como uma “violação da lei internacional”.

    Os ataques coordenados foram realizados em retaliação a um suposto ataque químico que foi atribuído ao governo sírio, apesar de Damasco negar firmemente qualquer envolvimento e não ter motivos para realizar tal ataque.

    Tags:
    Bundestag, Christian Blex, Bashar Assad, Damasco, Reino Unido, França, Europa, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik