20:46 19 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Soldado norte-americano em Manbij, norte da Síria, 4 de abril de 2018

    Parlamentar sírio: presença militar dos EUA no país 'não tem mais nenhum sentido'

    © AP Photo / Hussein Malla
    Oriente Médio e África
    URL curta
    3140

    Os Estados Unidos devem retirar suas forças da Síria, já que sua presença militar na região não faz mais sentido tendo em conta os sucessos das forças do governo sírio e de seus aliados na região, afirmou neste sábado (30) o secretário do parlamento sírio, Khaled Aboud, em entrevista à Sputnik.

    "Os EUA não podem mais manter suas forças na Síria, uma vez que não estão ganhando com isso nenhuns benefícios", assinalou Aboud.

    Segundo o responsável oficial, as forças norte-americanas foram enviadas para a Síria em meio às expectativas de uma possível divisão do país.

    "Agora, porém, já viramos essa página, e não há mais necessidade para [os Estados Unidos] manterem essas forças na região", explicou o parlamentar.

    Khaled Aboud comentou também a próxima cúpula entre os presidentes dos EUA e da Rússia, que devem tratar da resolução do conflito sírio, entre outros assuntos.

    Ele sugeriu que o presidente russo deva ter como um sólido argumento os êxitos do exército russo e de seus aliados no país, enquanto Trump não teria nada para pôr na mesa.

    Nesta sexta-feira (29), a mídia norte-americana comunicou que o presidente Donald Trump espera fechar um acordo com o presidente russo, Vladimir Putin, que estipularia a retirada das tropas dos EUA da Síria.

    Mahmoud Afandi, representante das forças de oposição, relatou mais tarde à Sputnik que Moscou e Washington estão preparando um acordo para entregar o controle sobre a zona de desescalada do sul da Síria e a base dos EUA em Al-Tanf à Rússia, e o assunto pode ser resolvido durante o encontro dos presidentes em Helsinque em 16 de julho.

    Em abril, Trump afirmou que gostaria de remover as tropas dos EUA da Síria, acrescentando que deixaria o trabalho de reconstrução para outros países. Pouco depois, ele declarou, no entanto, que os soldados norte-americanos permaneceriam no país até que os Estados Unidos deixassem uma "marca forte e duradoura" na região.

    A coalizão de mais de 70 países liderada pelos EUA está conduzindo operações militares contra o grupo terrorista Daesh (proibido na Rússia e em vários outros países) na Síria. As ações da coalizão no país não estão autorizadas pelo governo do presidente Bashar Assad, nem pelo Conselho de Segurança da ONU.

    Mais:

    Rússia: EUA estão na Síria para combater terrorismo
    OPAQ politizada? Rússia e Síria questionam aumento de poderes da organização
    'Experiência colossal': especialista comenta ações das tropas russas na Síria
    Tags:
    tropas, Vladimir Putin, Donald Trump, EUA, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik