12:44 23 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Príncipe William ao lado do príncipe Hussein bin Abdullah II, da Jordânia, na primeira parte de sua visita

    Ativistas: Israel usa visita do príncipe William para esconder abusos contra palestinos

    © REUTERS / Muhammad Hamed
    Oriente Médio e África
    URL curta
    654

    A visita do príncipe britânico William ao Oriente Médio "está sendo usada por Israel para mascarar suas violações dos direitos humanos contra os palestinos", temem grupos ativistas. O duque de Cambridge desembarca em Israel nesta segunda-feira.

    A Campanha de Solidariedade Palestina (PSC) disse que a visita rompe com a política do Escritório de Assuntos Exteriores britânico que membros da família real se abstenham de fazer visitas oficiais a Israel por causa de suas "violações históricas e graves dos direitos humanos, leis internacionais e resoluções da ONU".

    O príncipe William deve se reunir com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, antes de se encontrar com o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, em Ramallah, na Cisjordânia ocupada, na próxima quarta-feira.

    A visita coincide com o 70º aniversário da fundação de Israel e ocorre em um momento de maior tensão entre Israel e os palestinos.

    As Forças de Defesa de Israel (IDF) usaram recentemente fogo vivo contra manifestantes palestinos desarmados em Gaza, matando 120 pessoas e ferindo 13 mil, segundo a Cruz Vermelha. Israel afirmou que agiu em legítima defesa contra o Hamas, o partido governista em Gaza, considerado um grupo terrorista pela União Europeia (UE) e nos EUA.

    "Após os assassinatos, Israel continuou a recusar a demanda por uma investigação independente", diz um comunicado do PSC. "Esta visita do príncipe William reforça a política histórica do governo do Reino Unido de fechar os olhos a graves violações dos direitos humanos quando elas são cometidas pelo governo israelense".

    "Portanto, é crucial que todas as tentativas de usar essa visita do príncipe William para normalizar as contínuas e sistemáticas violações dos direitos humanos e do direito humanitário em Israel sejam resistidas. É claro que o governo israelense usará a viagem para conseguir exatamente isso", acrescenta o comunicado.

    O ministro israelense dos Assuntos de Jerusalém recentemente manifestou indignação pública em uma declaração detalhando a viagem do príncipe, que se referiu a Jerusalém Oriental como parte dos territórios palestinos ocupados.

    Zeev Elkin escreveu no Facebook: "É lamentável que a Grã-Bretanha tenha optado por politizar a visita real. A Jerusalém unificada é a capital de Israel há mais de 3.000 anos e nenhuma redação distorcida do comunicado de imprensa oficial mudará a realidade. Espero que a equipe do príncipe corrija essa distorção".

    Jerusalém Oriental tem sido considerada território ocupado sob o direito internacional desde 1967.

    A viagem do príncipe britânico vem depois que a Campanha Contra o Comércio de Armas (CAAT, na sigla em inglês) revelou que o Reino Unido obteve lucros recordes com o licenciamento de vendas de armas para Israel este ano.

    Os empreiteiros do setor de defesa fizeram pelo menos £ 221 milhões (US$ 294 milhões) no ano passado com acordos com a Tel Aviv, um aumento significativo em comparação com £ 86 milhões (US$ 114 milhões) em 2016, afirma a CAAT.

    O PSC enfatizou a necessidade de o Reino Unido condenar os recentes assassinatos palestinos nas mãos de militares israelenses e pedir uma investigação.

    "A Campanha de Solidariedade da Palestina continua a instar o governo do Reino Unido a acabar com o comércio bilateral de armas com Israel; impor sanções contra Israel; e aplicar uma pressão significativa sobre Israel para acabar com sua ocupação ilegal da Cisjordânia e Jerusalém Oriental, seu cerco a Gaza e suas práticas e políticas de apartheid contra os cidadãos palestinos de Israel", diz o comunicado.

    Huda Ammori, da Ação Palestina, disse que a visita do príncipe William deve se concentrar na "opressão" israelense dos palestinos e como o Reino Unido está apoiando o que ela disse ser semelhante a um "apartheid".

    "Apesar da constante impunidade de Israel em violar a lei internacional e os princípios básicos dos direitos humanos, a Grã-Bretanha continuou a armar Israel, sustentando o regime de Israel, que limpa impiedosamente a população palestina e proíbe os palestinos de seus direitos humanos básicos e seus direitos à liberdade", destacou.

    "Um embargo imediato de armas bidirecionais entre o Reino Unido e Israel é muito demorado e figuras diplomáticas como o príncipe William devem instar ação imediata. A ação imediata deve seguir esta viagem como resultado, caso contrário, estamos na mesma situação de antes; onde o Reino Unido continua apoiando um regime terrorista, com a desgraça e o sangue da população palestina", concluiu.

    Mais:

    Oficial americano joga culpa para Israel pelo ataque às forças sírias
    Traição: Israel prende ex-ministro acusado de espionar para o Irã
    Israel divulga FOTO, VÍDEO de seu último bombardeio contra posições do Hamas
    Tags:
    violência, direitos humanos, diplomacia, Campanha de Solidariedade Palestina (PSC), Hamas, União Europeia, IDF, Zeev Elkin, Benjamin Netanyahu, Mahmoud Abbas, Príncipe William, Gaza, Palestina, Reino Unido, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik