20:00 19 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Aiatolá Ali Khamenei.

    Síria pode se tornar um 'novo Vietnã' para os EUA, alerta assessor de Khamenei

    © Sputnik / Sergey Guneev
    Oriente Médio e África
    URL curta
    3121

    Um assessor do líder supremo do Irã condenou a presença militar não-solicitada dos Estados Unidos na Síria, alertando que o conflito no país poderia se tornar uma segunda guerra do Vietnã para Washington.

    Ali Akbar Velayati, um importante assessor de assuntos internacionais do aiatolá Ali Khamenei, culpou os Estados Unidos pela criação do grupo terrorista Daesh e disse que a presença contínua dos militares dos EUA na Síria resultaria em uma catástrofe.

    "Os próprios americanos criaram [o Daesh] e [a Frente] Al-Nusra na Síria e agora eles entraram em cena e ocuparam o Eufrates Oriental", disse Velayati em Teerã na quarta-feira, conforme citado pela agência Fars. "Eles devem saber que a Síria e o Eufrates Orientais serão outro Vietnã para os EUA", acrescentou.

    Acredita-se que milhares de forças especiais dos EUA estejam envolvidas com forças de procuração no leste da Síria — embora os militares dos Estados Unidos não tenham sido convidados a operar dentro do país, e não tem mandato internacional para fazê-lo. Com a guerra contra o Daesh praticamente terminada, as forças apoiadas pelos EUA — ajudadas pelo apoio aéreo — ocupam atualmente bolsões do território sírio.

    Embora a complexidade do conflito torne um pesadelo logístico para as forças de ocupação, especialistas questionam se os Estados Unidos jamais comprometerão forças terrestres suficientes para tornar suas operações na Síria tão catastróficas quanto a guerra no Vietnã.

    "O Iraque depois de 2003 era mais como um segundo Vietnã porque os EUA tinham tantos milhares de tropas ocupando o país e vulneráveis ao ataque de insurgentes", afirmou à RT o diretor do Instituto de Pesquisa de Crise do Reino Unido, Mark Almond.

    "Na Síria, os americanos (britânicos e franceses também) têm muito menos tropas no terreno — forças especiais — e contam com representantes para fazer o combate, de modo que a capacidade das forças locais para infligir baixas pesadas ou constantes é relativamente baixa. A Força Aérea dos EUA está disposta a atacar sob suspeita quaisquer forças no terreno que considere ‘ameaçadoras’ — uma categoria vaga e ampla — e há pouco ou nada que as forças sírias ou milícias locais possam fazer contra os aviões dos EUA", emendou.

    No entanto, Almond observou que, sem mais tropas no chão, os Estados Unidos e seus aliados não conseguirão controlar o território sírio a longo prazo. Com a política de Washington sobre a Síria mudando constantemente — o presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou em abril que queria levar as tropas para casa, mas agora elas aparentemente estão mantidas, de Al-Tanf para Manbij — a questão agora é se o Pentágono está considerando uma presença na Síria.

    "O oficial iraniano fala teoricamente: se os EUA continuarem a aumentar sua presença na Síria, poderá se tornar outro Vietnã para eles", disse Vladimir Batyuk, chefe da Unidade de Pesquisa Político e Militar da Academia Russa de Ciências do Instituto dos EUA e Canadá.

    "Se os Estados Unidos vão crescer ou não, é uma grande questão. Não há consenso em Washington sobre este assunto. Se o presidente dos Estados Unidos, Trump, fosse o único a decidir, as tropas dos EUA deixariam a Síria até amanhã. Mas há outras figuras poderosas em Washington que estão convencidas de que a presença dos EUA na Síria é necessária. Neste ponto, é improvável que os EUA aumentem sua presença se a situação não mudar drasticamente", avaliou.

    Batyuk comentou que desde que a estabilidade da Síria é uma prioridade para Teerã, a declaração de Velayati deve ser vista como um alerta para Washington de que "suas ações mal julgadas podem ter consequências de longo alcance". Mas, por enquanto, é improvável que milhares de soldados americanos na Síria estarão indo para casa em sacos de cadáveres — principalmente porque há apenas cerca de 2.000 deles lá para começar.

    "Neste momento, existem 2.000 forças especiais dos EUA na Síria. Claro, não é suficiente para qualquer operação militar na Síria", disse Batyuk. "Os EUA apoiam os curdos e os chamados rebeldes moderados, que na verdade são islamistas disfarçados. Os EUA poderiam usar apoio aéreo da coalizão anti-Daesh para alguns propósitos, mas não muito mais. Portanto, é improvável que as preocupações dos funcionários de Teerã se materializem".

    As advertências de Teerã vêm depois que o ministro de Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, disse em abril que as forças dos EUA estavam se "posicionando" no leste da Síria.

    "Os EUA prometeram que seu único objetivo era repelir os terroristas da Síria, derrotar [o Daesh], mas, apesar de todas as suas alegações, apesar das afirmações do presidente Trump, os EUA estão se posicionando na margem oriental do Eufrates e não têm intenção de sair", afirmou Lavrov.

    Mais:

    Irã: palavras não são suficientes para salvar acordo nuclear
    Irã critica planos dos EUA de 'redesenhar' fronteiras do Oriente Médio
    Traição: Israel prende ex-ministro acusado de espionar para o Irã
    Tags:
    guerra, terrorismo, Frente al-Nusra, Daesh, Sergei Lavrov, Vladimir Batyuk, Mark Almond, Ali Akbar Velayati, Aiatolá Ali Khamenei, Vietnã, Estados Unidos, Síria, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik