19:11 19 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Benjamin Netanyahu

    Colecionador de investigações, Netanyahu depõe sobre corrupção de submarinos

    © AP Photo / Cliff Owen
    Oriente Médio e África
    URL curta
    233

    O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, passou seis horas respondendo às perguntas dos investigadores sobre o envolvimento de seu primo e principal assessor de corrupção e suborno do governo na compra de submarinos fabricados na Alemanha.

    Netanyahu testemunhou sobre "a gama de considerações profissionais" levando-o a decidir comprar três submarinos da classe Dolphin e quatro corvetas Sa'ar classe 6 da renomada empresa alemã de construção naval ThyssenKrupp Marine Systems, informou o seu escritório em um comunicado na terça-feira.

    A polícia se recusou a elaborar os detalhes do depoimento, observando que a investigação, sob a supervisão do procurador do Estado, está em andamento.

    É a primeira vez que Netanyahu, não um suspeito, foi questionado no chamado "Caso 3000", que gira em torno da alegada corrupção na aquisição dos navios.

    O acordo gerou controvérsia quando foi revelado que Miki Ganor, agente da ThyssenKrupp em Israel, contratou o primo e procurador pessoal de Netanyahu, David Shimron, para liderar as negociações.

    Os pedidos internacionais para as embarcações foram cancelados e as encomendas foram finalmente adjudicadas à ThyssenKrupp. Agora, Shimron, juntamente com vários outros conselheiros de Netanyahu e altos funcionários, são acusados de corrupção.

    De acordo com Ganor, que atualmente é uma testemunha no caso, ele e Shimron usaram nomes de código enquanto discutiam o acordo, com Netanyahu supostamente apelidado de "amigo". Shimron nega as acusações e afirma que nunca falou com o primeiro-ministro sobre os contratos de navios, nem tentou influenciá-lo.

    Netanyahu insiste que os acordos servem aos interesses nacionais de Israel. A venda dos submarinos mostra o "compromisso da Alemanha com a segurança de Israel", disse ele em 2017, quando, apesar do crescente escândalo, o acordo de € 1,5 bilhão (US $ 1,7 bilhão) foi assinado.

    O contrato de corvetas, no valor de € 430 milhões ($ 480 milhões), foi assinado em 2015, com o primeiro navio a ser entregue no próximo ano. Em abril, a Marinha revelou seus futuros nomes: "Magen" ("Escudo"), "Oz" ("Valor"), "Atzmaut" ("Independência") e "Nitzahon" ("Vitória").

    Espera-se que os três submarinos construídos na Alemanha substituam os submarinos existentes de Israel, que serão desativados. As novas embarcações são potencialmente capazes de transportar armas nucleares e podem ser usados tanto em combate quanto em vigilância. As corvetas são destinadas a proteger os campos de gás offshore do país.

    A polícia também questionou Netanyahu sobre o Caso 4000, que se acredita ser o caso mais forte contra o líder israelense de quatro mandatos. Ele examina se os proprietários da Bezeq Israel Telecom deram a Netanyahu uma cobertura favorável no site de notícias Walla em troca de favores dos reguladores.

    Netanyahu foi ministro das Comunicações de 2014 a 2017, enquanto também servia como primeiro-ministro. Em outra investigação, o Caso 1000, a polícia alega que Netanyahu recebeu mais de US$ 280 mil em presentes de empresários e de um produtor de Hollywood, e está recomendando que ele seja indiciado por suborno.

    O Caso 2000 alega que Netanyahu trabalhou com Arnon Mozes, o editor do jornal israelense Yedioth Ahronoth, para desacelerar o crescimento de um jornal rival em troca de uma cobertura favorável.

    Mais:

    Netanyahu: governo de Assad 'não é mais imune' à retaliação israelense
    Netanyahu: Irã quer arsenal nuclear para destruir Israel
    Forças de Israel neutralizam célula em Jerusalém que preparava ataque contra Netanyahu
    Tags:
    submarinos, suborno, propina, corrupção, ThyssenKrupp Marine Systems, Arnon Mozes, David Shimron, Miki Ganor, Benjamin Netanyahu, Alemanha, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik