00:39 20 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Homens armados do Hamas carregam caixão de um de seus homens na Faixa de Gaza neste domingo (6).

    ONU condena Israel por 'uso excessivo de força' na fronteira de Gaza

    © AP Photo / Khalil Hamra
    Oriente Médio e África
    URL curta
    410

    A Assembleia Geral da ONU adotou uma resolução não-obrigatória condenando Israel pelo uso de "força excessiva" contra os manifestantes palestinos em Gaza. Já uma emenda dos Estados Unidos para condenar o Hamas não obteve apoio suficiente.

    A resolução condena Israel por "uso excessivo da força" contra manifestantes palestinos na fronteira entre Israel e Gaza e pede a "proteção da população civil palestina" em Gaza. Ela foi adotada com 120 votos a favor e 8 votos contra, com 45 abstenções.

    A emenda oferecida pela enviada norte-americana Nikki Haley tentou condenar o Hamas, que administra o governo eleito em Gaza, por disparar foguetes contra Israel. A emenda recebeu 62 votos a favor, com 58 nações opostas e 42 abstenções. Para passar, ela precisava de uma maioria de dois terços. No entanto, não foi incluída na resolução final.

    A resolução quase idêntica proposta pelo Kuwait foi vetada pelos EUA no Conselho de Segurança na última terça-feira. Ao contrário das resoluções do Conselho de Segurança, as adotadas na Assembleia Geral não são vinculantes.

    Haley condenou a resolução adotada como "moralmente falida".

    "A resolução é unilateral, não faz uma menção ao Hamas que rotineiramente inicia a violência", disse a enviada dos EUA durante o debate que precede a votação, acrescentando que "o que diferencia Gaza é que atacar Israel é seu esporte político favorito".

    O embaixador de Israel, Danny Danon, criticou a resolução como "empoderando o Hamas" e os países que o apoiam como "conivente com uma organização terrorista".

    "Eu tenho uma mensagem simples para aqueles que apoiam esta resolução. Você é a favor da munição para as armas do Hamas, você é a ogiva de seus mísseis", disse ele.

    Mais de 130 palestinos foram mortos pelas forças israelenses durante os protestos na fronteira com Gaza, que começou em 30 de março. O dia mais mortífero até agora foi 14 de maio, quando a embaixada dos EUA se mudou oficialmente de Tel Aviv para Jerusalém.

    "Não podemos permanecer em silêncio diante dos crimes mais violentos e das violações dos direitos humanos que estão sendo sistematicamente perpetrados contra nosso povo", afirmou Riyad Mansour, enviado palestino à ONU.

    Mais:

    Líbano mostra disposição para negociar demarcação de fronteira com Israel
    Netanyahu: Irã quer arsenal nuclear para destruir Israel
    Forças de Israel neutralizam célula em Jerusalém que preparava ataque contra Netanyahu
    Tags:
    diplomacia, palestinos, judeus, massacre, violência, Assembleia Geral da ONU, ONU, Hamas, Riyad Mansour, Danny Danon, Nikki Haley, Jerusalém, Estados Unidos, Kuwait, Gaza, Palestina, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik