01:32 21 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Soldado passeando pelo porto de Hodeidah no mar Vermelho, Iêmen

    ONU abandona Iêmen na iminência de ataque saudita e norte-americano

    © REUTERS / Abduljabbar Zeyad/File Photo
    Oriente Médio e África
    URL curta
    209

    Na terça-feira, a Cruz Vermelha Internacional e a ONU retiraram seus trabalhadores humanitários internacionais do porto iemenita de Hodeidah, temendo o ataque de forças pró-governo apoiadas pelos EUA, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos (EAU).

    O analista político independente Marwa Osman disse à Sputnik que, se a coalizão liderada pelos sauditas se aproximar do porto de Hodeidah, atualmente controlado por rebeldes Houthis, o Iêmen se afundará ainda mais no desastre humanitário. 

    De acordo com estimativas da ONU, cerca de 10 mil iemenitas foram mortos e 53 mil ficaram feridos desde que a coalizão liderada pela Arábia Saudita lançou sua operação no país em 2015.

    "O problema não é a invasão. Esta já aconteceu há duas semanas e acabou em desastre para as milícias dos Emirados Árabes Unidos. Em toda a mídia árabe foram vistos os corpos de mais de 120 mercenários dos Emirados Árabes Unidos que tentaram invadir Hodeidah", disse Osman.

    "A questão é a catástrofe humanitária no Iêmen, que está em curso há três anos e meio. Isso não é algo novo. No entanto, pode ser ainda mais exacerbado se o porto de Hodeidah estiver bloqueado", explicou Osman. Mais de 70% das importações do Iêmen, incluindo alimentos e remessas de ajuda, passam pelo porto de Hodeidah, informou o Independent em maio.

    De acordo com Abdikadir Mohamud, diretor do grupo de ajuda Mercy Corps no Iêmen, o esforço de ajuda a Hodeidah diminuiu antes mesmo de os combates atingirem a cidade.

    "Muitas organizações humanitárias estão sendo forçadas a deixar a cidade, os motoristas estão se recusando a levar seus caminhões para lá e os bancos estão lutando para transferir fundos", disse Mohamud em comunicado divulgado terça-feira à NPR.

    O Iêmen está envolvido em um conflito armado entre o governo liderado pelo presidente iemenita Abd Rabbuh Mansur Hadi e o movimento houthi no norte do país desde 2015. Uma coalizão liderada pela Arábia Saudita, composta principalmente por países árabes, vem realizando ataques aéreos contra os houthis a pedido de Hadi desde março de 2015. Os EUA apoiaram os sauditas reabastecendo aeronaves sauditas e dos Emirados Árabes Unidos e fornecendo assistência para realizar ataques aéreos e compartilham informações de inteligência.

    "Uma invasão dos EAU e da Arábia Saudita — apoiada pelos EUA — em Hodeidah poderia causar milhares de mortes no Iêmen. E não é só pessoas em Hodeidah que seriam afetadas por uma invasão. Muitas outras cidades no Iêmen, especialmente nas partes centro e norte, também poderiam ser devastadas", disse Osman à Sputnik.

    Na segunda-feira, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, divulgou a seguinte declaração: "Os Estados Unidos estão acompanhando de perto os desenvolvimentos em Hodeidah, Iêmen. Falei com líderes dos Emirados e deixei claro nosso desejo de tratar de suas preocupações de segurança, preservando o livre fluxo humanitário, auxílios e importações comerciais que salvam vidas".

    "Esperamos que todas as partes honrem seus compromissos de trabalhar com o Escritório Especial do Secretário-Geral da ONU para o Iêmen nessa questão, apoiem ​​um processo político para resolver esse conflito, garantam o acesso humanitário ao povo iemenita e mapeiem um futuro político para o Iêmen", acrescentou Pompeo.

    Em maio, um relatório do New York Times revelou que os Boinas Verdes do Exército dos EUA estavam trabalhando na fronteira entre o Iêmen e a Arábia Saudita, "fazendo o trabalho sujo da Arábia Saudita", disse Kiriakou, um veterano profissional de inteligência.

    Mais:

    Ciclone histórico provoca chuva de 3 anos em um único dia em Omã e Iêmen
    Pentágono realizou 17 ataques aéreos contra Al-Qaeda no Iêmen nos últimos 3 meses
    'EUA e Reino Unido podem parar a guerra do Iêmen hoje, mas amam dinheiro saudita'
    Exército dos EUA está 'fazendo trabalho sujo dos sauditas' na fronteira do Iêmen
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik