03:49 19 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Vista para cidade crimeana de Sevastopol, foto de arquivo de 7 de março de 2014

    Crimeia e Síria se unem para driblar sanções comerciais

    © AFP 2018 / Filippo MONTEFORTE
    Oriente Médio e África
    URL curta
    3332

    O governo sírio apoia as iniciativas para fortalecer as relações comerciais com a Rússia e, neste sentido, o acordo entre os portos de Sevastopol e Tartus é um importante foco de cooperação, relatam os membros da delegação russa que visitaram Damasco.

    "O presidente da Síria, Bashar Asad, apoiou o acordo entre Sevastopol e Tartus e o descreveu como um importante meio de cooperação, dizendo que, dado o bloqueio internacional ao comércio com a Síria, o Mar Mediterrâneo é a única saída para mercado global", disse aos jornalistas o chefe da delegação russa, o deputado da Câmara Baixa do Parlamento, Dmitri Sablin.

    O acordo foi comemorado pelas autoridades de Sebastopol, pois visa aumentar a troca de mercadorias entre os dois portos.

    Atualmente, o suprimento russo de trigo domina o fluxo de mercadorias, e as partes negociam a introdução de novos produtos na pauta.

    O vice-governador de Sebastopol, Vladimir Bazarov, também integrante da delegação, disse aos repórteres que a Rússia pode fornecer à Síria produtos siderúrgicos e materiais de construção, enquanto Tartus poderia enviar mais produtos agrícolas e têxteis para Crimeia.

    O acordo está atualmente sendo revisado pelo Ministério da Economia da Rússia. Sua assinatura está prevista para o final de julho.

    Além dos dois portos, a delegação russa também discutiu um possível acordo de cooperação mais estreita entre as duas capitais: a região de Moscou e a província de Damasco.

    Segundo o chefe da delegação russa, esse tipo de vínculo goza do apoio pessoal de Bashar Asad.

    "Ainda nos conhecemos muito pouco, precisamos de um diálogo mais próximo em nível político e cultural, especialmente entre os jovens", disse Sablin.

    Mais:

    Síria reconhece Crimeia como parte da Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik