02:26 17 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Bandeira nacional do Irã

    Histórico traidor: Irã faz alerta a Kim Jong-un antes de encontro com Trump

    © REUTERS / Morteza Nikoubazl
    Oriente Médio e África
    URL curta
    12282

    Na véspera do tão aguardado encontro entre os líderes de Estados Unidos e Coreia do Norte, o Ministério de Relações Exteriores do Irã pediu a Pyongyang que "exercite completa vigilância" ao lidar com o presidente estadunidense Donald Trump.

    O líder norte-coreano Kim Jong-un deve estar ciente da agenda "America First" de Trump e sua tendência a trair acordos quando eles falam sobre desnuclearização, Teerã advertiu.

    "Washington continuou sabotando acordos internacionais e se retirando unilateralmente deles", disse Bahram Qassemi, porta-voz do Ministério de Relações Exteriores do Irã, referindo-se à abordagem mercurial de Trump "desde que ele assumiu o cargo".

    Kim Jong-un deve permanecer "bastante vigilante", destacou Qassemi, notando a notória retirada de Trump do acordo nuclear com o Irã. Tendo aprendido da maneira mais difícil, o diplomata enfatizou que Teerã estava bastante "pessimista em relação aos comportamentos norte-americanos".

    "Os EUA têm uma história de sabotagem, violação e retirada em relação a compromissos internacionais bilaterais e multilaterais", comentou o porta-voz.

    O desrespeito de Trump pelo acordo de 2015 com o Irã, conhecido como Plano de Ação Compreensiva Conjunta (JCPOA), juntamente com sua retirada do acordo climático de Paris em 2015, e a atual guerra comercial fizeram com que a Alemanha, a Inglaterra e a França questionassem seriamente o vínculo transatlântico.

    Depois de ter sua paciência testada, o ministro de Finanças da França, Bruno Le Maire, questionou se a Europa pretendia continuar sendo "vassalos que obedecem a decisões tomadas pelos Estados Unidos".

    Os líderes europeus ficaram surpresos com o golpe mais recente de Washington, quando os EUA impuseram tarifas sobre produtos de aço e alumínio provenientes da União Europeia (UE), México e Canadá, que entraram em vigor em 1º de junho. A UE prometeu retaliar.

    A retirada mais recente de Trump ocorreu na cúpula do G7 em Quebec, onde ele decidiu não endossar o comunicado conjunto, enquanto atacava o anfitrião, o primeiro-ministro canadense Justin Trudeau, por ser "muito desonesto e fraco".

    Mais:

    Irã vai enriquecer urânio, mas europeus veem ameaça de Teerã como 'negócio morto'
    Trump não deve forçar Irã a sair do acordo nuclear, diz Macron
    Como empresas europeias se veem forçadas a dar as costas ao Irã por causa dos EUA?
    Tags:
    acordo de paz, diplomacia, JCPOA, acordo nuclear, Donald Trump, Kim Jong-un, Bahram Qassemi, Coreia do Norte, Estados Unidos, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik