17:22 16 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Homens armados do Hamas carregam caixão de um de seus homens na Faixa de Gaza neste domingo (6).

    Netanyahu: métodos não-letais falharam em sufocar protestos na Faixa de Gaza

    © AP Photo / Khalil Hamra
    Oriente Médio e África
    URL curta
    604

    O exército israelense recorreu sem sucesso a todos métodos não-letais para acabar com os protestos na fronteira com a Faixa de Gaza, disse o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, durante evento em Londres.

    "Eles não são manifestantes pacíficos, são membros do Hamas (…), usamos canhões de água, gás lacrimogêneo, mas nada funcionou", disse Netanyahu ao comentar os eventos na fronteira com Gaza.

    "A última coisa que queremos é a violência", garantiu o premiê.

    Desde 30 de março, a fronteira entre Gaza e Israel virou cenário dos protestos maciços e, até o momento, mais de cem palestinos morreram abatidos por disparos de militares israelenses, e outros 13.300 ficaram feridos.

    Israel afirma que suas ações são defensivas, apesar das críticas internacionais pela resposta desproporcional.

    As relações entre Israel e Palestina entraram em uma nova crise após o reconhecimento, em dezembro passado, da cidade de Jerusalém como capital de Israel pelo presidente dos EUA, Donald Trump.

    A decisão de Trump foi condenada pela maioria dos países muçulmanos e atraiu críticas de outros Estados e instituições internacionais que agora consideram qualquer perspectiva de paz no Oriente Médio menos viável.

    Mais:

    Forças de Israel neutralizam célula em Jerusalém que preparava ataque contra Netanyahu
    Netanyahu tem 'sangue palestino nas mãos' e conduz 'Estado do apartheid', diz Erdogan
    Israel publica VÍDEO de ataque contra mais 5 'alvos terroristas' na Faixa de Gaza
    Israel realiza 10 ataques aéreos na Faixa de Gaza
    'Enquanto os israelenses estiverem em Gaza, haverá resistência', diz professor palestino
    Tags:
    Benjamin Netanyahu, Israel, Faixa de Gaza
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik