08:23 24 Junho 2018
Ouvir Rádio
    F-35

    Especialista revela verdadeiro objetivo da pressão dos EUA contra Turquia sobre F-35

    CC0
    Oriente Médio e África
    URL curta
    4112

    Washington está tentando engajar Ancara para um bloco anti-iraniano, exercendo pressão sobre a Turquia com relação à aquisição de 100 caças F-35A de quinta geração e a situação em torno da cidade de Manbij, no norte da Síria, disse observador político turco à Sputnik Turquia.

    Os EUA estão implementando uma estratégia anti-iraniana no Oriente Médio, disse o observador político turco, Mehmet Ali Guller, explicando o porquê do ataque com mísseis contra a Síria em 14 de abril, a transferência da embaixada dos EUA para Jerusalém e a hesitação de Washington na entrega de caças F-35 à Turquia com o fato de serem partes de um mesmo plano.

    "Aparentemente, [o conselheiro de segurança nacional do presidente dos EUA, John] Bolton está fazendo um trabalho sério de preparação em relação ao Irã", disse Guller à Sputnik Turquia. "Em um futuro próximo, os EUA iniciarão uma operação contra o Irã em grande escala e em várias frentes e isso pode ser parcialmente observado hoje […] O principal problema do ponto de vista dos EUA é como atrair a Turquia para o seu lado dentro do enquadramento dessa estratégia."

    De acordo com o observador político, os EUA tomaram uma série de medidas para forçar a Turquia a seguir o rumo de Washington e o desenvolvimento da situação em Manbij é atualmente o foco da atenção de Ancara.

    "Mais especificamente, [Washington e Ancara] estão discutindo a retirada do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) do território de Manbij, com a subsequente transferência da região para o controle conjunto da Turquia e dos Estados Unidos", ressaltou o observador, referindo-se às Unidades de Proteção do Povo Curdo (YPG), que são vistas por Ancara como uma afiliada do PKK, banido na Turquia.

    Elos de uma mesma corrente

    Guller acredita que a estratégia dos EUA na região entrou em uma "fase ativa": o ataque de mísseis conjunto conduzido por Washington e seus aliados europeus (Reino Unido e França), em 14 de abril, foi o primeiro passo, segundo o observador.

    Em 8 de maio, Washington retirou-se unilateralmente do Plano de Ação Integral Conjunto (JCPOA), também conhecido como acordo nuclear com o Irã. Já em 14 de maio, os EUA abriram sua embaixada em Jerusalém, reconhecendo-a oficialmente como a capital de Israel. Guller acredita que os eventos mencionados fazem parte da política anti-iraniana dos EUA.

    "O que os EUA querem? Primeiro de tudo, [querem] que o Irã se retire da Síria. Para atingir esse objetivo, os EUA, em particular, exerceram alguma pressão sobre a Turquia a fim de conseguirem seu apoio durante o próximo passo anti-iraniano […] A questão de Manbij deve ser considerada no contexto dessas medidas dos EUA. Em geral, podemos falar sobre Washington estar adotando uma estratégia de punição e incentivo nas relações com a Turquia", enfatizou o observador.

    Na segunda-feira (4), o vice-primeiro-ministro turco, Bekir Bozdag, anunciou que Ancara e Washington haviam concordado com o cronograma de retirada do YPG de Manbij.

    No final de janeiro de 2018, a Turquia iniciou a operação Ramo de Oliveira para expulsar a milícia curda das regiões fronteiriças turco-sírias. Tendo tomado o controle da cidade de Afrin, no norte da Síria, Ancara sinalizou que expandiria sua operação para Manbij. No entanto, os EUA já começaram a fortalecer sua presença militar na região para proteger as forças curdas apoiadas pelo Pentágono.

    Caças furtivos F-35 vs sistema de defesa antiaérea S-400

    Mais um ponto de discórdia é a compra de 100 caças F-35A de quinta geração por Ancara, destacou Guller.

    "A questão dos suprimentos do F-35 é mais um caso que mostra a pressão exercida pelos EUA sobre a Turquia em resposta à sua decisão de comprar os sistemas S-400 de fabricação russa. No entanto, o projeto F-35, que envolve nove países, incluindo a Turquia, está em andamento há 17 anos. Portanto, não é tão fácil declarar a imposição de restrições contra a Turquia nesta questão de um momento para outro", explicou.

    De acordo com o observador político, a esperada aquisição da aeronave causa preocupações entre os generais turcos aposentados, que alertam que ela poderia aprofundar a dependência da Força Aérea Turca dos EUA. Eles observam ainda que o F-35 é um projeto extremamente malsucedido e caro. "O S-400 é considerado o melhor sistema de defesa de sua classe, e o F-35 é o pior projeto entre as aeronaves de quinta geração." observou ele.

    Após a reunião do ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlut Cavusoglu, com o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, em 5 de junho, foi anunciado que Ancara esperava a primeira entrega de caças F-35 em 21 de junho.

    "Dissemos aos Estados Unidos que não reagimos bem a ameaças", disse Cavusoglu a repórteres na segunda-feira (4). "Quanto ao F-35, nós já assinamos o acordo… Até 21 de junho, haverá uma transferência para os F-35. Não há nenhum acontecimento negativo."

    As questões de Manbij e dos F-35 podem se tornar especialmente sensíveis perante as próximas eleições presidenciais e gerais na Turquia marcadas para 24 de junho. Enquanto isso, as pesquisas indicam que Erdogan lidera a disputa com 53% dos votos.    

    Mais:

    Ancara: Turquia e EUA criarão 'zona de segurança' ao redor de Manbij, na Síria
    Erdogan: Turquia quer devolver Manbij síria a seus 'verdadeiros donos'
    Apesar dos avisos da Turquia, EUA não planejam sair da cidade síria de Manbij
    Turquia admite tensões nas relações com EUA devido à questão dos F-35
    Senador russo: postura da Arábia Saudita não afetará fornecimento de S-400 a Qatar
    Tags:
    s-400, F-35, embaixada, caças, entrega, plano, Unidades de Proteção Popular (YPG), Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), John Bolton, Manbij, Ancara, Turquia, Oriente Médio, Irã, Síria, Jerusalém, EUA, Washington
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik