07:21 21 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu (Foto de aquivo)

    Forças de Israel neutralizam célula em Jerusalém que preparava ataque contra Netanyahu

    © AP Photo / Sebastian Scheiner
    Oriente Médio e África
    URL curta
    462

    No momento, o primeiro-ministro israelense está em visita na Europa para debater o acordo nuclear iraniano. Hoje, terça-feira (5), está agendado um encontro com o presidente francês Emmanuel Macron, após as negociações com a chanceler alemã, Angela Merkel, com quem Netanyahu se encontrou nesta segunda-feira (4).

    A mídia israelense, citando a contrainteligência do país, comunicou que as forças de segurança de Israel neutralizaram em Jerusalém Oriental uma célula terrorista que preparava um ataque contra o premiê Benjamin Netanyahu.

    "Nas últimas semanas detectamos e eliminamos uma célula terrorista, controlada por terroristas da Síria, que planejava o assassinato da chefia [de Israel]", se lê nos documentos da contrainteligência israelense. 

    Caça da Força Aérea de Israel (arquivo)
    © Sputnik / Serviço de imprensa da Força Aérea de Israel
    "A investigação estabeleceu que, segundo instruções obtidas do exterior, os integrantes da célula planejavam efetuar ataques terroristas de grande escala contra um número de alvos, incluindo políticos de alto escalão do país, como o premiê israelense Benjamin Netanyahu e o prefeito de Jerusalém, Nir Barkat".

    Segundo a investigação, Muhammad Jamal Rashdah, do campo de refugiados Shuafat, ex-prisioneiro com cartão de identidade israelense, começou a coletar dados sobre estes alvos, que também incluiriam a delegação de representantes canadenses em Jerusalém e prédios pertencentes ao consulado dos EUA. 

    Os suspeitos da organização do atentado foram detidos; as acusações contra eles foram apresentadas no dia 27 de maio.

    "A detenção dos suspeitos frustrou uma significativa atividade terrorista", frisou a Agência de Segurança de Israel (ASI).

    As notícias se seguem ao agravamento de tensões entre israelenses e palestinos em meio à manifestação da Grande Marcha de Retorno. Os protestos palestinos começaram em Gaza em 30 de março. 

    A situação piorou em 14 de maio, quando mais de 60 palestinos foram mortos e mais de 2.700 ficaram feridos, protestando contra a inauguração da embaixada dos EUA em Jerusalém.

    Mais:

    Conflito entre Israel e Palestina não pode ser resolvido militarmente, diz diplomata russo
    Israel participará pela 1ª vez em manobras da OTAN perto da Rússia
    Israel realiza 10 ataques aéreos na Faixa de Gaza
    Tags:
    atentado, segurança, Benjamin Netanyahu, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik