14:03 24 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Mohammad bin Salman Al Saud, príncipe herdeiro da Arábia Saudita

    Al-Qaeda ameaça príncipe saudita por trocar mesquitas por cinemas e luta livre

    © Sputnik / Sergey Guneev
    Oriente Médio e África
    URL curta
    430

    A rede terrorista Al-Qaeda na Península Arábica (AQAP) teria alertado o príncipe herdeiro saudita Mohammad bin Salman sobre suas reformas, dizendo que restabelecer cinemas e trazer lutadores de luta livre da WWE para o país eram projetos pecaminosos.

    O grupo terrorista sunita disse que Mohammad bin Salman substituiu as mesquitas por cinemas e desistiu de textos religiosos em um comunicado em seu boletim de notícias Madad, citado pelo SITE Intelligence Group.

    A influência de visões ateístas e seculares abriu o caminho para a corrupção e a degradação moral na Arábia Saudita, disse a organização em seu comunicado.

    A AQAP estava especialmente descontente com o evento WWE Royal Rumble, que aconteceu no Reino Unido em abril. Ele disse que os lutadores americanos expuseram suas partes íntimas e usaram sinais da cruz diante da multidão mista de homens e mulheres muçulmanos.

    Outros sinais de degradação incluem concertos diários, exibição de filmes e espetáculos de circo, acrescentaram os jihadistas.

    Desde que se tornou príncipe herdeiro há um ano, Bin Salman introduziu uma série de reformas destinadas à democratização do Estado muçulmano ultraconservador, incluindo a suspensão da proibição de mulheres, a reintrodução de shows e cinemas, além de permitir que mulheres participassem de jogos de futebol.

    No entanto, a situação do país foi questionada no final de maio, após a prisão de mais de uma dúzia de mulheres ativistas pedindo o levantamento de regras que exigem que as mulheres sauditas recebam a permissão de um parente do sexo masculino antes de tomar importantes decisões sobre sua vida.

    Bin Salman também é responsável por uma massiva repressão "anticorrupção" no ano passado, que viu mais de 200 príncipes, ministros e autoridades sauditas presos em uma medida que, segundo analistas, foi na verdade uma tentativa de consolidar o poder e extorquir dinheiro dos ricos.

    A AQAP ganhou força devido ao atual conflito no Iêmen, no qual a Arábia Saudita e seus aliados se envolveram em 2015. Riad combateu os rebeldes xiitas Houthi com o objetivo de restabelecer o presidente deposto Mansour Hadi no poder.

    Desde então, cerca de 6.400 civis foram mortos e mais de 10.000 feridos, disse a ONU no início de maio, acrescentando que "a grande maioria dessas vítimas civis foi resultado de ataques aéreos realizados pela coalizão liderada pela Arábia Saudita".

    Depois de mais de três anos de combates, o Iêmen enfrenta uma enorme crise humanitária. Mais de 22,2 milhões de pessoas no país precisam de assistência, com 60% da população sem alimentos e mais da metade sem serviços médicos básicos, segundo a ONU.

    Mais:

    Pentágono realizou 17 ataques aéreos contra Al-Qaeda no Iêmen nos últimos 3 meses
    Fusão entre Daesh e Al-Qaeda pode gerar grupo capaz de produzir armas químicas
    15º aniversário: como EUA tentaram combater Al-Qaeda, mas provocaram criação do Daesh
    Tags:
    islã, muçulmanos, islamismo, jihadistas, Cinema, luta livre, terrorismo, WWE, SITE Intelligence Group, Al-Qaeda na Península Arábica (AQPA), Mohammad bin Salman, Iêmen, Arábia Saudita
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik