12:47 25 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Veículos blindados norte-americanos na Síria

    Pentágono adverte Assad para não atacar forças americanas na Síria

    © AP Photo / Hussein Malla
    Oriente Médio e África
    URL curta
    40845

    Um ataque contra as tropas dos EUA e seus aliados na Síria seria uma "ideia má", afirmou o representante do Estado-Maior Conjunto do Pentágono, general Kenneth McKenzie, comentando as palavras do presidente sírio Bashar Assad sobre a prontidão de usar a força para libertar o território sírio.

    As forças estadunidenses que operam na Síria e seus aliados tiveram alguns confrontos com as tropas governamentais sírias, mas em geral as partes têm conseguido evitar sérios conflitos. Uma parte significativa do território no norte e no leste da Síria é controlada pelas Forças Democráticas da Síria (FDS), constituídas principalmente por curdos que recebem apoio de Washington.

    Segundo afirmou Assad na recente entrevista ao canal RT, as FDS continuam sendo "o único problema no país". Ele sublinhou que Damasco está prestes a negociar com o grupo, mas, em caso de as negociações fracassarem, o exército sírio está pronto a usar a força para libertar os territórios sírios. O presidente sírio também sublinhou que as tropas dos EUA devem sair da Síria.

    Além disso, o líder relatou que na Síria se chegou "bastante perto do ponto de um possível conflito direto entre as forças da Rússia e dos EUA", mas este foi evitado "graças à sabedoria das autoridades russas".

    Os Estados Unidos e aliados permanecem na Síria desde 2014, realizando no país uma operação antiterrorista contra o Daesh (organização terrorista proibida na Rússia) sem autorização do governo local.

    Mais:

    Netanyahu: vamos atacar o Irã em qualquer lugar da Síria
    Assad: Síria continua reforçando sua defesa antiaérea depois da ajuda da Rússia
    Tags:
    advertência, ataque, Forças Democráticas da Síria, Pentágono, Bashar Assad, Kenneth McKenzie, EUA, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik