12:31 22 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Soldados norte-americanos no Afeganistão (foto de arquivo)

    Oficial explica mudança de estratégia de Trump no Afeganistão

    © AFP 2018 / Johannes EISELE
    Oriente Médio e África
    URL curta
    240

    O presidente dos EUA, Donald Trump, nomeou um novo general para comandar as forças americanas no Afeganistão. No entanto, isso não significa mudanças na estratégia para o país, aprovada no ano passado, disse o secretário adjunto de Defesa dos Estados Unidos, Steven Bucci, à Sputnik nesta quarta-feira.

    Na terça-feira, Trump indicou o tenente-general Austin Miller para substituir o general John Nicholson no comando as forças norte-americanas no Afeganistão, informou o Departamento de Defesa em um comunicado à imprensa.

    "Ele [Miller] é apenas um sujeito altamente qualificado e talentoso", disse Bucci quando perguntado se a nomeação significaria qualquer mudança na estratégia dos EUA na guerra do Afeganistão, que já dura dezesseis anos e meio. "Isso não sinaliza nada de diferente", pontuou.

    Miller foi indicado para promoção — será geral de quatro estrelas — e já serviu como chefe do Comando de Operações Especiais dos EUA nos últimos dois anos. Ele é um veterano de operações de combate na Somália, Bósnia, Iraque e Afeganistão.

    A nomeação de Miller aconteceu depois do Inspetor-Geral Especial dos EUA para Reconstrução do Afeganistão disse que os Estados Unidos não conseguiram estabilizar o Afeganistão, apesar de 16 anos de ocupação e bilhões investidos em programas de estabilidade.

    Segundo o relatório do Inspetor-Geral, o Departamento de Defesa e a Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional gastaram cerca de US $ 4,7 bilhões em iniciativas de estabilização desde 2001, mas os projetos não conseguiram melhorar a capacidade e o desempenho do governo afegão.

    Mais:

    Afeganistão: ataque dos EUA contra o Talibã deixou ao menos 50 mortos
    Relatório da ONU aponta que helicópteros do Afeganistão mataram 36 pessoas em abril
    EUA voltam atenções ao Talibã e jogam mais bombas no Afeganistão do que na Síria e Iraque
    Após derrotas, presidente do Afeganistão convida Talibã para participar das eleições
    Sputnik 'semeando caos no Afeganistão' ou mão de Washington já atinge Ásia?
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik