12:14 14 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, foto de arquivo

    Líder do Irã pede que ONU investigue violações aos direitos humanos cometidas pelos EUA

    © AP Photo / Serviço de imprensa do líder supremo iraniano
    Oriente Médio e África
    URL curta
    1092

    O líder religioso iraniano, aiatolá Ali Khamenei, solicitou que as Nações Unidas condenassem as muitas violações contínuas e endêmicas dos direitos humanos cometidas por e nos Estados Unidos.

    O pedido de Khamenei foi feito durante uma reunião de alto escalão em 24 de maio com autoridades iranianas, na qual ele observou que a ONU deve parar de fazer as ofertas de Washington e acompanhar as principais violações de direitos humanos e outras atrocidades cometidas pelos EUA.

    "Algum tempo atrás, o secretário geral da ONU retomou sua palavra um dia depois de condenar os crimes sauditas contra o povo iemenita. Tais exemplos mostram que a ONU está sob pressão dos EUA", afirmou Khamenei, citado pelo Ifpnews.com.

    Khamenei detalhou apenas alguns dos numerosos incidentes envolvendo um flagrante desrespeito pelos direitos humanos pelas agências federais do governo dos EUA, incluindo "membros ardentes do culto davídico nos Estados Unidos durante a presidência de Bill Clinton"; "segurando e brutalmente torturando prisioneiros no centro de detenção de Guantánamo, a prisão de Abu Ghraib no Iraque e uma prisão americana no Afeganistão", e "não proibindo as vendas de armas nos EUA por causa do lucro das empresas de fabricação de armas".

    O líder religioso detalhou o que se tornou uma prática comum de violência por parte dos Estados Unidos contra seus próprios cidadãos estrangeiros.

    Prisão de Guantánamo
    © East News / Tech. Sgt. Michael R. Holzworth
    "A brutalidade policial dos EUA ao lidar com negros", acrescentou Khamenei, e incluiu "o papel chave dos Estados Unidos na criação e apoio ao grupo terrorista ISIS"; "ajudando o regime israelense a matar pessoas, particularmente em seu recente massacre de palestinos em Gaza", "e ajudando e apoiando a Arábia Saudita a matar o povo iemenita e reprimir as pessoas do Bahrein".

    A lista grande é usada pelo líder como um meio de persuadir a ONU a fazer o seu trabalho como um árbitro dos direitos humanos em todo o mundo.

    "Se as Nações Unidas são realmente as Nações Unidas e não são afiliadas com o regime dos EUA, devem levar a sério esses casos e compensar o seu fracasso passado", disse ele.

    Tags:
    direitos humanos, ONU, Estados Unidos, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik