08:39 14 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Diretor executivo da edição BRICS Journal, Afrika Mkhangala, no Fórum Econômico Internacional de São Petersburgo (SPIEF), em 26 de maio de 2018

    O que devemos esperar da presidência sul-africana no bloco BRICS?

    © Sputnik / Ekaterina Nenakhova
    Oriente Médio e África
    URL curta
    Ekaterina Nenakhova
    Cúpula do BRICS 2018 (12)
    140

    Que novidades trará a atual presidência da África do Sul para o grupo BRICS? Será que o bloco está em risco devido a problemas internos dos países-membros? A Sputnik foi saber a opinião do diretor executivo da edição BRICS Journal, Afrika Mkhangala, nas margens do Fórum Econômico Internacional de São Petersburgo (SPIEF).

    Tradicionalmente, uma parte considerável de tais fóruns como o SPIEF é dedicada a questões do ativismo juvenil e movimentos juvenis no contexto da globalização. Esse ano não foi exceção e contou com uma participação vasta, inclusive de representantes do grupo Future Team — entidade criada na sequência do Festival de Juventude que se deu no ano passado em Sochi.

    Representantes do grupo Future Team no Fórum Econômico Internacional de São Petersburgo (SPIEF), em 26 de maio de 2018
    © Sputnik / Ekaterina Nenakhova
    Representantes do grupo Future Team no Fórum Econômico Internacional de São Petersburgo (SPIEF), em 26 de maio de 2018

    Uma das sessões realizadas no terceiro dia do evento foi dedicada ao papel de tais grupos nos processos de integração em torno do globo e reuniu participantes de várias nações, algumas delas separadas por milhares de quilômetros. Compareceram até vários representantes dos EUA, agitando o público com seus discursos entusiasmados, o que mais uma vez prova a futilidade das sanções no relacionamento russo-americano, que continua com grande potencial, pelo menos nos olhos da juventude.

    ​O palestrante sul-africano, Afrika Mkhangala, acabou por seu uma das "estrelas" do painel, não apenas por seu discurso inspirador, mas também por seu visual. Vestido com roupas tradicionais do seu país, o rapaz "brilhou" na discussão e até recebeu vários pedidos de selfies após o evento.

    ​Entre outras atividades, o jovem é o responsável pela publicação da revista do grupo BRICS, que faz questão de abordar os assuntos mais urgentes do bloco, tanto a nível político como econômico.

    "A edição se foca na economia, política e arte no âmbito do grupo BRICS. […] Seu conteúdo é supervisionado por especialistas em suas áreas, temos autores por todo o mundo, profissionais em campos particulares. Eles se debruçam sobre temas complicados e nós tentamos transmiti-los em um formato mais compreensível", contou.

    A revista se publica tanto na versão on-line como em papel. A primeira, de fato, sai todos os dias, enquanto a publicação imprimida é trimestral.

    Sputnik Brasil: É evidente que há muita coisa boa nessa parceria, tem muito potencial. No entanto, queria lhe perguntar também, como jovem especialista, que desafios, a seu ver, o bloco está encarando hoje em dia.

    Afrika Mkhangala: Os países que fazem parte do BRICS são não apenas membros desse bloco, integram também outras organizações e, como nações, têm suas próprias posturas em relação a diferentes questões. É muito importante para os países do BRICS ter cuidado para não cruzarem certas linhas, não interferir nos assuntos de outros países-membros.

    O jovem explicou que, apesar de possuírem uma visão comum do mundo, cada um dos países tem seus próprios interesses nacionais e age de acordo com eles.

    "Por exemplo, nós [os sul-africanos] gostaríamos que os países dos BRICS, particularmente a Rússia e a China, que são membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU… Como sabe, na primeira semana de junho ocorrerá uma reunião da ONU para escolher os seis membros rotativos. E a África do Sul voltou a manifestar sua disponibilidade para isso. Achamos que temos feito um trabalho exemplar ao longo dos últimos anos e somos a nação certa para ser eleita [para o Conselho de Segurança]", frisou.

    Além disso, adiantou que o país conta com a ajuda dos seus amigos do bloco para alcançar conquistas de mais envergadura no âmbito das Nações Unidas.

    "De fato, esperamos que nossos parceiros no BRICS concordem que devemos ter um assento permanente, que represente o continente como um todo", disse.

    Para ele, não se trata necessariamente de "um conflito", mas de diferenças nas abordagens e visões que costumam surgir em tal tipo de organizações e podem facilmente ser harmonizadas caso seja feito o esforço necessário.

    S: Este ano marca a presidência sul-africana no bloco. Que contribuição especial, em sua opinião, o país poderia fazer para a cimeira e a organização em geral?

    AM: Eu acho que temos de olhar um pouco para trás e entender como é que o BRICS funciona. O BRICS é baseado em acordos mútuos, eles [os países] operam através de sherpas [representantes oficiais], que participam do Secretariado do BRICS. Todas as discussões que terão lugar na África do Sul já foram acordadas por todos os representantes: brasileiro, russo, chinês, indiano e, evidentemente, pelo representante principal, que nesse caso é o embaixador Sooklal sul-africano. Os principais cinco temas, ou seja, os subtemas, já foram acordados por todos os países.

    Além do mais, o ativista sul-africano expressou a esperança do que as decisões alcançadas na cimeira sejam adequadas para implementação na prática.

    Um dos destaques da reunião multilateral, segundo o jovem, será a quarta revolução industrial que literalmente está revolucionando a vida dos países. Assim, um dos objetivos é resolver como enquadrar as nações neste processo da melhor maneira possível.

    "O que a África do Sul fez? Entre outras coisas, ampliamos a lista dos convidados, sendo 20 deles fora dos BRICS. Temos 10 países do continente africano, como o Togo, o Senegal… Ademais, depois passamos a convidar os países fora da região, como a Argentina, que desfruta de posições especiais em outros grupos [como o G20, por exemplo]", revelou o ativista sul-africano, adiantando que o país-sede da cúpula espera proporcionar um "bom exemplo" para ser seguido por esses Estados.

    S: Falando desse formato ampliado, que foi proposto no ano passado na cúpula de Xiamen, será que isso pode evoluir para um alargamento real? E de que maneira você vê tais problemas, como, por exemplo, as relações difíceis entre alguns membros permanentes e os convidados? Particularmente, estou me referindo ao caso da Índia e do Paquistão, convidado em 2017, sendo que são rivais de longa data.

    AM: Nesse estádio, se trata da participação apenas. Vamos ver se os chefes de Estado fazem algumas declarações sobre a possível ampliação. Sim, os países têm seus problemas, mas isso não nos priva da capacidade de trabalhar juntos.[…] O BRICS+, ou a ampliação do bloco, na verdade não começou na China. Começou na África do Sul, em Durban, no ano de 2010, quando sediamos o evento. Fomos os primeiros a convidar países de fora, foram vinte.

    O jovem especificou que os participantes em questão foram predominantemente do contingente africano, pois a África do Sul está se sentindo "a porta" para a região, responsável por promover os interesses do continente todo e não apenas de si mesma.

    Tema:
    Cúpula do BRICS 2018 (12)

    Mais:

    Estados Unidos estariam construindo nova base na África para 'ajudar países'
    China 'desbrava' África desafiando EUA?
    Fazendo o francês grande de novo: Macron olha para a África
    Novo 'campo de batalha' geopolítico: o que Rússia e EUA buscam na África?
    Como China e Estados Unidos disputam influência na África
    Tags:
    cimeira, juventude, Fórum Econômico Internacional de São Petersburgo (SPIEF), Future Team, Conselho de Segurança da ONU, BRICS, ONU, África, África do Sul
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik