06:23 16 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Tanque sírio T-55, desenvolvido na URSS

    O renascimento árabe: como URSS ajudou Oriente Médio a romper correntes do colonialismo

    © AP Photo/ Zuhari Saade
    Oriente Médio e África
    URL curta
    471

    É difícil sobrestimar a influência da União Soviética no Oriente Médio depois da Segunda Mundial. Ela ajudou os países da região a se livrarem da opressão colonialista das metrópoles ocidentais, equipar seus exércitos e restaurar a economia no âmbito de um socialismo com características árabe.

    O autor do artigo Denis Lukyanov do Sputnik Mundo solicitou a análise de especialistas sobre o papel da URSS na região e como essa experiência se reflete na política russa no Oriente Médio nos dias de hoje.

    As relações entre a URSS e os países do Oriente Médio começaram a se desenvolver depois da vitória dos Aliados na Segunda Guerra Mundial. Naquela época, Moscou tornou-se uma grande potência mundial reconhecida por todos, explica Boris Dolgov, historiador do Instituto de Estudos Orientais da Academia Russa de Ciências.

    "A influência da URSS na região foi significativa, o mais importante é que os movimentos de libertação nacional no Oriente Médio foram resultado da política soviética na região. Moscou forneceu apoio em larga escala a esses movimentos em países como o Egito, Síria, Iêmen e muitos outros", disse ele.

    Segundo Dolgov, a vitória desses países sobre o colonialismo se deveu principalmente à ajuda e influência da União Soviética. A maioria deles conquistou a independência, juntou-se ao bloco socialista e proclamou sua intenção de "construir o socialismo árabe ou o socialismo islâmico".

    "Na verdade, eles praticamente se tornaram aliados da URSS, regional e globalmente. Em particular, a União Soviética concedeu empréstimos aos países da região, embora muitos deles não se recuperaram ou foram apenas parcialmente reembolsados", disse Dolgov.

    "Houve casos em que Moscou enviou dinheiro para equipar exércitos com armas sob forma de subsídios, isso se destinava a promover as ideias socialistas", acrescentou.

    Segundo informações oficiais, entre os anos de 1966 e 1970 a União Soviética forneceu armas aos países árabes em um valor total de US$ 3,2 bilhões (cerca de R$ 11,7 bilhões).

    Outros dados indicam que no período de 1983 a 1990 o país comunista forneceu à região armas no valor de mais de US$ 55 bilhões (cerca de R$ 200 bilhões). Assim, o valor dos suprimentos militares para o Iraque, por exemplo, foi de US$ 24 bilhões (cerca de R$ 88 bilhões), enquanto o da Síria é estimado em US$ 11 bilhões (cerca de R$ 40 bilhões).

    Síria, o começo de uma grande amizade

    A União Soviética desempenhou um papel importante na ascensão ao poder do Partido Socialista Árabe Baath (Renascimento, em árabe) na Síria, apesar desse papel ter sido indireto, disse o especialista sírio Hassan Huri à Sputnik Mundo.

    "Naquela época o socialismo se espalhou pela região graças à vitória da URSS sobre o nazismo e à crescente importância de Moscou na cena política mundial. As relações entre o Baath e Moscou se fortaleceram e continuaram a se desenvolver mesmo depois de Hafez Assad – pai do atual líder sírio Bashar Assad – tomar o poder no país [em 1970]", declarou.

    O presidente sírio Hafez al-Assad chega à URSS como parte de uma visita oficial
    © Sputnik / Vladimir Akimov
    O presidente sírio Hafez al-Assad chega à URSS como parte de uma visita oficial

    Segundo o entrevistado, os comunistas sírios, que até então obedeciam a todas as ordens da URSS, apoiaram Hafez Assad, apesar de inicialmente terem se mostrado contrários a ele. O novo presidente sírio começou a consolidar sua autoridade aproveitando o apoio, tanto da URSS como do Ocidente, acrescentou o especialista.

    "A ajuda da URSS à Síria foi considerável. Damasco não teria conseguido resistir a Israel naquela época sem a ajuda de Moscou. A Síria recebia gratuitamente o armamento mais moderno. O apoio soviético a Damasco foi ilimitado desde que os EUA anunciaram Israel como seu aliado estratégico", detalhou o analista.

    "A União Soviética sempre quis ter boas relações com a Síria. Por sua vez, Damasco não era contra essas relações", disse o especialista.

    Segundo ele, a Rússia sempre manteve laços estreitos com o país árabe.

    Na opinião dele, mesmo se a Rússia tivesse tomado uma posição neutra sobre a guerra civil na Síria, as boas relações entre os dois países continuariam, tanto no caso de uma vitória de Assad como dos opositores.

    Aliado no "coração do mundo"

    A União Soviética forneceu apoio em grande escala aos movimentos de libertação nacional em todo o mundo e o Egito não foi exceção, declarou Taimour Dwidar, especialista em Oriente Médio e países árabes, em um comentário à Sputnik Mundo.

    "[Na época do pós-guerra] Moscou considerava como seu parceiro o então líder do Egito Gamal Abdel Nasser. Moscou estava ajudando o Cairo não apenas com o fornecimento de armas, mas também treinando o exército egípcio. Além disso, o apoio de Moscou também se manifestou sob forma de ajuda financeira. Entre outras coisas, Moscou construiu importantes infraestruturas, como a barragem de Assuã", explicou o entrevistado.

    O presidente do Conselho de Ministros da URSS, Aleksey Kosygin, e o líder do Egito, Gamal Abdel Nasser
    © Sputnik / Vasily Malishev
    O presidente do Conselho de Ministros da URSS, Aleksey Kosygin, e o líder do Egito, Gamal Abdel Nasser

    Com a chegada ao poder de Anwar Sadat, depois da morte em 1970 de Nasser, a cooperação com Moscou se manteve. No entanto, isso não durou muito. Em menos de um ano, o novo líder deu uma volta de 180 graus e começou a se aproximar de Washington. Como resultado, milhares de especialistas soviéticos e suas famílias tiveram que deixar o Egito, elucidou Dwidar.

    "Bem, foi assim que mostrou o Egito sua gratidão pela amizade de Moscou. É evidente que não há nenhuma amizade em política, mas interesses, no entanto o Egito foi extremamente importante para a União Soviética, porque o país está situado no 'coração do mundo' e controla o Canal de Suez", observou.

    O entrevistado lembrou que durante a Guerra do Yom Kippur, em que o Egito e a Síria lutaram de um lado e Israel do outro, os Estados Unidos usaram a tática da "diplomacia itinerante", manobrando entre o Egito e Israel. Mesmo assim, a União Soviética não virou as costas ao Egito, até mesmo naquelas condições – quando seu líder já se tinha afastado – a URSS permaneceu do seu lado, disse o especialista.

    Vestígios da Guerra do Yom Kippur nas Colinas de Golã
    © Sputnik / Valery Shustov
    Vestígios da Guerra do Yom Kippur nas Colinas de Golã

    Ele também acrescentou que atualmente muitos habitantes do Egito expressam sua admiração pelo presidente russo Vladimir Putin.

    "É que Putin restaurou a grandeza da Rússia. Quando os egípcios estavam votando em Abdel Sisi, que ganhou as eleições e atualmente exerce o cargo de presidente, queriam o mesmo para a sua nação. A Rússia deu ao Egito a possibilidade de escolher os parceiros e amigos. Putin tem muito a oferecer a Sisi e ele aceita. Talvez seja correto dizer que Putin é uma espécie de 'marca' no Egito", manifestou.

    URSS e Iraque na época de Saddam

    Moscou começou a cooperar com o Iraque logo depois da queda da monarquia nesse país árabe em 1958. A União Soviética continuou desenvolvendo suas relações com Bagdá depois de os membros do partido Baath assumirem o poder, disse Valeryan Shuvaev, ex-embaixador da Rússia no Iraque e Líbia.

    A URSS ajudou o Iraque a explorar e desenvolver campos de petróleo em seu território. Ao mesmo tempo, contribuiu para a expansão de sua economia e a construção de infraestruturas, acrescentou.

    "A União Soviética não optou por Saddam Hussein, mas pelas autoridades iraquianas. A política do Baath coincidia com as prioridades da URSS, e estas incluíam o anti-imperialismo", explicou o entrevistado.

    O presidente do Conselho de Ministros da URSS, Aleksey Kosygin, e o vice-presidente do Conselho do Comando Revolucionário do Iraque, Saddam Hussein, durante a cerimônia de abertura de uma instalação petroleira
    © Sputnik / O. Ivanov
    O presidente do Conselho de Ministros da URSS, Aleksey Kosygin, e o vice-presidente do Conselho do Comando Revolucionário do Iraque, Saddam Hussein, durante a cerimônia de abertura de uma instalação petroleira

    O diplomata lembrou que Moscou, entre outras coisas, apoiou o Iraque na guerra contra o Irã, que decorreu entre 1980 e 1988.

    Moscou naquela época fornecia armas modernas ao Iraque. Até os dias de hoje, o armamento soviético está ao serviço do exército iraquiano. As novas autoridades de Bagdá têm sido pragmáticas e é por isso que a Rússia continua cooperando com o país árabe no momento, concluiu o especialista.

    Socialismo nas costas da Península Arábica

    O Iêmen também faz parte da lista de países que receberam ajuda da URSS no período do pós-guerra.

    A cooperação entre o Iêmen do Sul socialista e a União Soviética se devia a motivos ideológicos, disse Aleksey Kalugin, ex-embaixador da Rússia no Iêmen.

    Segundo o diplomata, os especialistas soviéticos construíram um grande número de infraestruturas, como fábricas e hospitais, que se mostraram cruciais para o desenvolvimento do Iêmen do Sul, também conhecido como República Democrática Popular do Iêmen.

    Construção de uma usina termelétrica no Iêmen em cooperação com a URSS
    © Sputnik / B. Baratov
    Construção de uma usina termelétrica no Iêmen em cooperação com a URSS

    "O país contava com um grande número de conselheiros militares da União Soviética. Depois o Iêmen propôs formalizar a presença [militar] russa no país em troca de dinheiro. Naquela época – na década de 90 – a Rússia não tinha recursos para isso, razão pela qual se retirou do Iêmen", relatou o entrevistado.

    Boris Dolgov, entretanto, disse que na maioria dos países do Oriente Médio a população recorda com carinho a ajuda da URSS. Hoje os objetivos políticos da atual Rússia nessa área são sobretudo pragmáticos.

    "A Rússia quer estabelecer relações mutuamente benéficas com os países da região. No entanto, devemos levar em consideração também a ajuda da Rússia à Síria. A Síria está no momento na vanguarda da luta que Moscou trava contra o radicalismo. O mesmo se aplica à cooperação entre o Egito e a Rússia. De certo modo isso é a continuação da política soviética que visava proteger os interesses do país", concluiu.

    Mais:

    Novo documentário revela como a URSS venceu Hitler na Segunda Guerra Mundial (VÍDEO)
    Ex-presidente da URSS sobre golpe contra Síria: é treinamento antes de disparar a sério
    Herança tóxica: quem continua guardando arma química da URSS?
    Tags:
    relações, Egito, Iêmen, Síria, URSS
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik