11:39 25 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Imagens da fronteira entre Israel e Síria, nas Colinas de Golã (foto de arquivo)

    Israel manobra com EUA para dar nova 'mordida' territorial?

    © AFP 2018 / Jalaa Marey
    Oriente Médio e África
    URL curta
    241131

    Os EUA poderiam reconhecer as disputadas Colinas de Golã como território soberano de Israel, segundo o ministro da Inteligência israelense, Israel Katz.

    Katz declarou que a questão é prioritária na agenda de negociações com administração de Trump, informa o Jerusalem Post.

    No entanto, isso seria um ato agressivo para o mundo muçulmano depois que os EUA se retiraram do acordo nuclear com o Irã e do reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel.

    "A resposta mais dolorosa que pode ser dada aos iranianos é reconhecer a soberania de Israel sobre as Colinas de Golã com uma declaração norte-americana, uma declaração presidencial", disse Katz.

    Anteriormente, as autoridades norte-americanas já haviam ameaçado o país persa com reativação de sanções, que foram canceladas com entrada em vigor do acordo nuclear, ainda mais severas.

    "Este é apenas o começo. A picada das sanções será dolorosa", assegurou o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo.

    "Serão as sanções mais fortes da história", salientou.

    Israel se apropriou das Colinas de Golã na Guerra dos Seis Dias de 1967 e, em seguida, anexou-as unilateralmente em 1981. Desde então, a soberania sobre a área tem sido tema em discussões sobre os direitos territoriais de Israel na região. Antes da guerra, a área pertencia à Síria e a ONU a considera "território ocupado", enquanto Israel a define como "território disputado".

    Mais:

    Israel não quer apurar violência contra palestinos e ministro manda UE 'para o inferno'
    Israel continua atacando posições sírias nas Colinas de Golã
    Síria acusa EUA de bombardearem propositadamente seus campos de petróleo
    Tags:
    disputa territorial, sanções, ONU, Mike Pompeo, Israel Katz, Colinas de Golã, Irã, Síria, Jerusalém, Israel, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik