20:36 17 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Mike Pompeo

    Chanceler do Irã critica Pompeo após ameaça de 'sanções mais pesadas da história'

    © flickr.com/ Gage Skidmore
    Oriente Médio e África
    URL curta
    540

    Enquanto os EUA apresentam seu ultimato a Teerã após a retirada de Washington do acordo nuclear iraniano, o chefe do Ministério das Relações Exteriores iraniano revela sua opinião sobre o assunto.

    O chanceler iraniano, Mohammad Javad Zarif, condenou a recente ameaça de sanções anunciadas pelos Estados Unidos, descrevendo a diplomacia norte-americana como uma "farsa".

    "Pompeo e outros funcionários dos EUA estão presos em velhas ilusões… Eles são tomados como reféns por grupos de pressão corruptos", disse ele.

    As declarações de Zarif vieram em resposta a um discurso proferido na segunda-feira pelo secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, sobre a política de Washington em relação ao Irã.

    Pompeo apresentou uma lista de 12 demandas ao Irã, ameaçando impor as “sanções mais pesadas da história” se Teerã não cumprir.

    As demandas incluem o fornecimento do que Pompeo descreveu como "acesso irrestrito a todos os locais" do país à Agência Internacional de Energia Atômica e a interrupção do apoio a grupos como o Hezbollah, o Hamas e os rebeldes houthis no Iêmen.

    Em 23 de maio, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, também elogiou Pompeo e o presidente dos EUA, Donald Trump, por seus “líderes fortes”, segundo o The Jerusalem Post.

    No começo do mês, o presidente Donald Trump anunciou sua decisão de retirar os Estados Unidos do acordo nuclear com o Irã. Todas as outras partes do acordo — Rússia, China, Irã, Alemanha, França e Reino Unido — não apoiaram o movimento de Trump.

    Tags:
    The Jerusalem Post, Hamas, Hezbollah, Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Mike Pompeo, Donald Trump, Mohammad Javad Zarif, Benjamin Netanyahu, Teerã, Iêmen, Irã, Israel, Reino Unido, Alemanha, China, França, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik