21:50 22 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Kim Jong-un, líder norte-coreano, durante a reunião com o presidente da Corea do Sul, Moon Jae-in

    Tripla derrota da diplomacia de pressão de Trump vai arruinar cúpula com Kim?

    © REUTERS / Korea Summit Press Pool
    Oriente Médio e África
    URL curta
    16370

    A Coreia do Norte afirma que não precisa de uma cúpula com os EUA caso ela trate apenas da desnuclearização do país. Ao mesmo tempo, ela cancelou um encontro planejado com o país vizinho do sul. O colunista da Sputnik, Dmitry Kosyrev, explica como Kim “se zangou”, ameaçando de fato a realização de sua reunião histórica com Trump em 12 de junho.

    Para os EUA nada de especial realmente aconteceu, pois todo o mundo já está acostumado a declarações fortes por parte de Pyongyang, escreve o jornalista. Por isso, Washington entende os protestos de Kim como uma "manobra" deliberada, uma espécie de capricho. Ao mesmo tempo, a Casa Branca nem duvida que o país vá ceder aos poderosos EUA e se desarmar.

    "Mas os vizinhos da Coreia do Norte (inclusive a Rússia) entenderam o passo de Kim de outra maneira", diz Kosyrev.

    Na realidade, opina o autor, a diplomacia da administração Trump escreveu seu próprio cenário para o encontro em Singapura, que não agradou a Pyongyang. Tanto mais que o país tem capacidade para resistir.

    "Os EUA deverão entender que a pressão contra Kim não vai funcionar para Trump, da mesma forma que não funcionou para os antigos presidentes dos EUA com os anteriores Kim. Em primeiro lugar, porque não se trata da batalha de um gigante contra um anão solitário, mas de diplomacia de que participam várias potências fortes", assinala o colunista.

    Kosyrev explica que, na percepção dos norte-americanos, todas as concessões devem caber somente a Pyongyang, que recusou a mediação chinesa para falar diretamente com Trump. Este, por sua vez, acredita que todas as questões econômicas devem ser discutidas com a Coreia do Sul, e não com Washington, enquanto Pyongyang deve fechar seu polígono nuclear, libertar os prisioneiros americanos e acordar em se encontrar em um território, não totalmente neutral, mas aliado dos EUA, em Singapura. Ou seja, concessões sem parar, unilaterais, frisa o colunista.

    Assim, a mídia chinesa indica que cada passo da Coreia do Norte deve ser acompanhado pelo respectivo passo por parte dos EUA, pois apenas a pressão não vai dar em nada.

    Já as "negociações entre iguais com concessões bilaterais" são um horror para a equipe de Trump, que se posiciona como os "tipos duros", que vencem apenas através da pressão.

    "Eles anunciaram de antemão que Kim já se rendeu. E aí, de repente, aparecem estes problemas — nem conseguem fazer obedecer a pequena Coreia do Norte", escreve o jornalista.

    Para comprovar esta teoria, Kosyrev fala da recente visita do secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, a Pyongyang, durante a qual ele supostamente teria entregue o plano para o próximo encontro. Os norte-coreanos ouviram-no, esperaram um pouco e "logo manifestaram sua reação", diz o autor.

    Outro fator que indica para a derrota da "diplomacia de pressão" é o fato dos EUA não terem conseguido "isolar" a China da resolução do conflito norte-coreano (para isso apontam ao menos duas reuniões bilaterais entre os líderes dos dois países).

    Ademais, o autor relembra o caso da chamada "guerra comercial" que se iniciou recentemente entre Pequim e Washington, e conclui que a tentativa de exercer pressão sobre os chineses e os norte-coreanos acabou por se virar contra o próprio Trump.

    A história do acordo nuclear iraniano rompido pela parte estadunidense no início de maio ainda bota mais lenha no fogo.

    "Trata-se do mesmo tipo de acordo que está sendo discutido com a Coreia do Norte, e se os EUA o romperam de modo tão fácil, para que os norte-coreanos precisariam acordar algo com tal parceiro?", se pergunta o colunista.

    Ao concluir, Kosyrev realça que o resultado do encontro em Singapura em 12 de maio será "interessante", mas é certo que a cimeira não vai decorrer do modo planejado pela Casa Branca.

    Mais:

    Coreia do Norte inicia desmantelamento de seu complexo nuclear
    Assessor de Trump quer levar todas as armas nucleares da Coreia do Norte para os EUA
    Coreia do Norte suspende reunião com Coreia do Sul e ameaça cancelar encontro com Trump
    Tags:
    cimeira, armas nucleares, acordo, Donald Trump, Kim Jong-un, Coreia do Norte, China, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik