23:20 17 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Recep Tayyip Erdogan, presidente de Turquia (foto de arquivo)

    Erdogan: situação de Jerusalém é 'linha vermelha' para mundo muçulmano

    © REUTERS / Osman Orsal
    Oriente Médio e África
    URL curta
    22157

    O status de Jerusalém é uma "linha vermelha" para o mundo muçulmano, disse o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, ao encerrar uma reunião extraordinária da Organização para a Cooperação Islâmica em Istambul nesta de sexta-feira (18).

    "Hoje realizamos uma reunião muito importante do ponto de vista do apoio aos palestinos e do sinal enviado a Israel, destacamos em nossa decisão conjunta que Jerusalém é nossa 'linha vermelha", manifestou Erdogan em uma entrevista coletiva transmitida pela emissora turca NTV.

    O líder reiterou que os muçulmanos não reconhecem a decisão dos EUA sobre a transferência de sua embaixada para aquela cidade e consideram que a política levada a cabo por Washington apenas contribui para incitar ainda mais Israel.

    "As autoridades dos EUA castigaram os palestinos, enquanto Israel, ao violar a lei internacional, foi recompensado", frisou o presidente turco.

    Além disso, comparou o mandato do atual presidente dos EUA, Donald Trump, com o do ex-presidente George W. Bush, que "também era republicano, mas apoiava tanto Israel como a Palestina".

    Erdogan apontou para a necessidade da criar um comitê internacional para investigar os crimes de Israel cometidos na Faixa de Gaza.

    "Israel deve responder por seus crimes, pedimos a todos os países que reconheçam oficialmente Jerusalém Oriental como a capital palestina", acrescentou.

    Na segunda-feira (14), as Forças Armadas de Israel lançaram uma ofensiva militar contra a população palestina que estava protestando contra o 70º aniversário da criação do Estado de Israel e a abertura da embaixada americana em Jerusalém.

    Os confrontos resultaram em 61 palestinos mortos e mais de 2.700 feridos, segundo relatam as fontes médicas palestinas.

    O presidente da Palestina, Mahmoud Abbas, decretou três dias de luto nacional pelos manifestantes mortos. Nesse mesmo dia, o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, rotulou Israel como um "Estado terrorista" e suas ações em relação aos palestinos, de "genocídio".

    Mais:

    Presidente do Irã insta nações muçulmanas a cortar laços com Israel
    Ataques de Israel contra Síria foram uma agressão, diz embaixador sírio
    Liga Árabe desenvolve plano para conter reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel
    Tags:
    Forças Armadas de Israel, Donald Trump, Recep Tayyip Erdogan, Jerusalém, Palestina, Israel, EUA, Turquia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik