14:01 21 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Presidente iraniano, Hassan Rouhani, falando durante uma reunião com os ministros em Teerã, Irã, 11 de outubro de 2017

    'Nação iraniana resistirá aos complôs dos EUA', afirma presidente do Irã

    © AP Photo/ Sem credencial
    Oriente Médio e África
    URL curta
    4110

    O presidente iraniano, Hassan Rouhani, declarou na quarta-feira (16) que Teerã não se renderá à pressão, sanções e nem mesmo a ameaças de guerra dos EUA, informou a agência de notícias estatal iraniana ISNA.

    A declaração foi proferida em meio a crescentes tensões entre os dois países depois da decisão de Donald Trump de se retirar do acordo nuclear iraniano. 

    "Eles pensam que podem fazer a nação iraniana se render pressionando o Irã com sanções e até mesmo com ameaças de guerra […] A nação iraniana resistirá aos complôs dos EUA", disse Rouhani citado pela ISNA.

    O presidente Donald Trump anunciou a retirada dos EUA do Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, sigla em inglês) na terça-feira passada (8), e delineou planos para voltar a impor as sanções ao Irã, que foram suspensas como parte do acordo. No entanto, outros signatários do JCPOA criticaram a decisão de Trump de se retirar unilateralmente. 

    O JCPOA – assinado pelo Irã, pelo grupo P5+1 (China, Estados Unidos, França, Reino Unido, Rússia e Alemanha) e pela União Europeia em 2015 – exige que Teerã mantenha um programa nuclear pacífico em troca de sanções. O Irã está em total conformidade com os termos do JCPOA, conforme verificado em 11 relatórios de inspeção da Agência Internacional de Energia Atômica divulgados desde o início do acordo.

    Mais:

    União Europeia e Irã chegam a acordo de cooperação em energia, finanças e transporte
    Trump diz a Macron que quer acordo 'amplo' sobre o Irã
    May aplaude decisão do Irã de permanecer no acordo nuclear
    'Presente' de Trump: por que conflito em torno do Irã é vantajoso para Rússia
    Tags:
    acordo nuclear, Donald Trump, Hassan Rouhani, Irã, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik