07:20 27 Maio 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    7134
    Nos siga no

    As autoridades sauditas não reconhecem a transferência da embaixada dos EUA de Tel-Aviv para Jerusalém, e consideram uma provocação contra os muçulmanos em todo o mundo, informou a mídia local nesta terça-feira (15), conforme citação de uma declaração emitida pelo gabinete do país.

    O governo também afirmou que a medida trará "um prejuízo significativo" contra os direitos dos palestinos, garantidos por resoluções internacionais, de acordo com a Saudi Press Agency (SPA).

    Em dezembro do ano passado, o presidente dos EUA, Donald Trump, reconheceu Jerusalém como a capital de Israel e ordenou que a embaixada dos EUA fosse transferida de Tel-Aviv para lá.

    A decisão polêmica foi criticada e criou agitação no Oriente Médio, sendo condenada por diversos outros países.

    Israel se apoderou da então Jerusalém Oriental, controlada pela Jordânia, durante a Guerra dos Seis Dias, em 1967. Em 1980, o parlamento israelense adotou a Lei de Jerusalém proclamando toda a cidade capital indivisível de Israel.

    A comunidade internacional não reconhece a anexação e acredita que o status de Jerusalém deve ser acordado com os palestinos, que reivindicam a parte oriental da cidade como a capital de seu futuro estado.

    Mais:

    EUA bloqueiam ação da ONU crítica à violência de Israel contra palestinos
    Israel tem 'balas para todos', provoca aliado de Netanyahu após mortes de palestinos
    'Terrível': ONU exige investigação minuciosa sobre massacre de Israel na Faixa de Gaza
    Enviado da Palestina acusa Israel de ter ligações com terroristas da Frente al-Nusra
    Turquia pede que Estados muçulmanos revejam laços com Israel em meio à violência em Gaza
    Tags:
    conflito israel palestina, Guerra dos Seis Dias, Tel-Aviv, Estados Unidos, Palestina, Oriente Médio, Arábia Saudita, Jerusalém, Israel, EUA, Jordânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar