20:45 22 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Um menino olha para a câmera enquanto se senta nos destroços de uma casa destruída por um ataque aéreo liderado pelos sauditas nos arredores de Sanaa, Iêmen.

    'EUA e Reino Unido podem parar a guerra do Iêmen hoje, mas amam dinheiro saudita'

    © REUTERS / Mohamed al-Sayaghi
    Oriente Médio e África
    URL curta
    10112

    Os EUA deveriam ser responsabilizados pela morte de civis em ataques aéreos da coalizão liderada pela Arábia Saudita no Iêmen, afirmou o jornalista iemenita Hussain Albukhaiti. Enquanto ele falava, ele segurou uma bomba de fragmentação feita pelos EUA, que ele disse ter sido encontrada por crianças.

    O jornalista falou à RT sobre o mais recente ataque aéreo da coalizão liderada pelos sauditas no distrito de Hamdan, em Sanaa, que matou seis civis e feriu outros seis. Uma casa foi atingida no ataque, onde os pais moravam com seus quatro filhos. Apenas duas crianças de toda a família sobreviveram.

    Imagens chocantes das consequências mostram-nas presas sob os escombros de sua casa, incapazes de escapar de uma masmorra de concreto. Albukhaiti, cujo amigo filmou as cenas angustiantes, afirmou que as crianças tiveram que esperar por horas até que as equipes de resgate chegassem, já que os caças sauditas estavam impedindo-os de acessar a área com um ataque aéreo brutal.

    Os ataques de "toque duplo", uma tática empregada extensivamente pelos sauditas, significa que uma greve de acompanhamento vem depois da inicial, assim que surgem os socorristas ou pessoas em luto pelas vítimas.

    A garota mostrada no vídeo estava tão entorpecida das horas de espera que não podia mais sentir seu corpo e só pediu água.

    "Imagine, ela estava esperando por horas de resgate, e ela estava com sede, e ela não podia sentir seu corpo, e ela pensou que não estava ferida. E você pode ver, totalmente, nas imagens que ela estava realmente gravemente ferida", lamentou Albukhaiti.

    Enquanto dezenas de civis, incluindo crianças, perecem em ataques aéreos liderados pela Arábia Saudita todas as semanas, a única coisa que os EUA parecem estar interessados é a origem dos mísseis lançados pelos rebeldes Houthis, a quem os sauditas estão lutando, disse o jornalista.

    "E esses mísseis são usados apenas para defender o Iêmen, eles não são usados como bombas de fragmentação, não são descartados em aldeias. Isso mostra os padrões duplos dos EUA, eles só se preocupam com dinheiro, sobre o quanto querem obter de a coalizão liderada pela Arábia Saudita", ponderou.

    Os EUA, juntamente com o Reino Unido, continuam fomentando o conflito com um suprimento constante de armas para Riad. Isso inclui bombas de fragmentação proibidas que aviões de guerra da Arábia Saudita estão caindo sobre civis, afirmou Albukhaiti.

    Ele mostrou os destroços de uma dessas bombas que ele disse que as crianças em uma das aldeias da área de Saada lhe deram seis meses após o início das hostilidades.

    "Temos essas bombas no Iêmen e o único país que está realmente usando essas bombas, apenas o país que impôs um bloqueio ao Iêmen; apenas jatos que estão no céu no Iêmen são jatos de caça sauditas que são alimentados por jatos dos EUA, e todos coordenadas, todas as imagens de satélite, todo o suprimento logístico está vindo dos EUA, e a única coisa que preocupa os EUA é quais tipos de mísseis que o Iêmen tem ou os Houthis têm", disse.

    "Então, eu gostaria de ver os EUA para explicar como essas bombas estão nas aldeias iemenitas", acrescentou.

    Está ao alcance do Ocidente interromper a campanha de bombardeio saudita, que custou a vida de centenas de civis, que levou o país devastado pela guerra à beira da fome e levou aos surtos de cólera e malária, analisou Albukhaiti. Mas é improvável que isso aconteça porque isso significaria acabar com o enorme fluxo de caixa das vendas de armas americanas e britânicas.

    "É claro que os Estados Unidos e o Reino Unido podem decidir hoje parar esta guerra, mas se esta guerra contra o Iêmen for interrompida, isso significará que os sauditas não precisam das armas que estão comprando do Reino Unido e dos EUA também", comentou. "Eles simplesmente amam o dinheiro, querem apenas continuar a vender armas para ganhar dinheiro e é assim que a democracia existe nos EUA e no Reino Unido".

    Mais:

    Exército dos EUA atua secretamente no Iêmen com grupos especiais
    Líderes houthis morrem em ataques aéreos da coalizão na capital do Iêmen
    Houthis anunciam assassinato de líder político em ataque liderado pelos sauditas no Iêmen
    Tags:
    guerra, violência, crise humanitária, bombardeios, ataque aéreo, bombas de fragmentação, Hussain Albukhaiti, Reino Unido, Estados Unidos, Arábia Saudita, Sanaa, Iêmen
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik