13:04 26 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Nihat Zeybekci - o ministro da Economia da Turquia

    Ministro turco elogia Teerã: Um Irã forte significa ter uma Turquia forte

    © Sputnik / Evgueni Biyatov
    Oriente Médio e África
    URL curta
    11152

    Ancara e Teerã continuarão suas relações econômicas apesar dos EUA terem deixado o acordo nuclear de 2015 com o Irã, garantiu o ministro turco da Economia, Nihat Zeybekci.

    "É uma oportunidade para a Turquia. Continuaremos a ter relações comerciais com o Irã enquanto cumprimos as resoluções da ONU sobre atividades nucleares", disse Zeybekci, segundo a agência de notícias Anadolu.

    A Turquia tem laços econômicos "mais extensivos" com o Irã, incluindo energia. importações do país, acrescentou.

    O ministro turco enfatizou que o Irã é um país "amigo e irmão" de Ancara.

    "Acreditamos nisso: quanto mais o Irã se aproxima dessa região, mais a Turquia se torna forte, e quanto mais forte a Turquia se torna, mais o Irã fica mais forte", afirmou Zeybekci.

    A decisão do presidente dos EUA, Donald Trump, de sair do acordo nuclear levará à reimposição de sanções americanas que foram suspensas em 2015, incluindo restrições financeiras que tornaram extremamente difícil para empresas globais fazer negócios com ou no Irã.

    Muitos países europeus disseram que vão defender suas empresas, que entraram novamente no mercado iraniano nos últimos três anos. Washington disse que dará às empresas europeias seis meses para encerrar os investimentos no Irã ou arriscar sanções dos EUA, e que eles também estão proibidos de assinar novos contratos com Teerã.

    Mais:

    Forças Armadas da Turquia apresentam seu poder militar durante EFES 2018
    Como Turquia responderá a prováveis sanções dos EUA devido à compra dos S-400 russos?
    Turquia promete permanecer na Síria e no Iraque até eliminar 'o último terrorista'
    Tags:
    diplomacia, relações bilaterais, acordo nuclear, sanções, ONU, Nihat Zeybekci, Donald Trump, Estados Unidos, Irã, Turquia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik