00:38 28 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Ministro de Relações Exteriores da Arábia Saudita, Adel al-Jubeir

    Se o Irã adquirir a bomba nuclear, nós também a teremos, diz a Arábia Saudita

    © Sputnik / Kirill Kallinikov
    Oriente Médio e África
    URL curta
    EUA se retiram do acordo nuclear com Irã (32)
    11512

    A Arábia Saudita, aliada dos EUA, reiterou que construirá uma bomba nuclear se o seu inimigo regional, o Irã, acelerar o desenvolvimento de um programa de armas. O país concordou com Washington e sua decisão de abandonar o acordo nuclear com Teerã.

    "Nós deixamos muito claro que, se o Irã adquirir uma capacidade nuclear, faremos tudo o que pudermos para fazer o mesmo", disse o ministro de Relações Exteriores da Arábia Saudita, Adel al-Jubeir.

    "Acredito que se o Irã reiniciar seu programa de armas nucleares, além do que tem agora, isso deve acionar o retorno de provisões e fazer com que todos os outros países do P5 abandonem o acordo e voltem a impor sanções ao Irã", continuou.

    Na terça-feira, o presidente dos EUA, Donald Trump, decidiu sair do acordo nuclear com o Irã, um acordo que suspendeu as sanções em troca da cooperação nuclear de Teerã. A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), uma organização internacional que monitora os desenvolvimentos nucleares, afirmou que o Irã tem mantido seu lado no trato e cumprindo o Plano de Ação Global Conjunto (JCPOA) de 2015.

    Falando à rede americana CNN, o alto funcionário saudita reduziu a ameaça feita pelo príncipe herdeiro Mohammed bin Salman no início deste ano. O país está atualmente construindo um programa de energia nuclear para fins energéticos, embora al-Jubeir tenha indicado que poderia ser expandido para incluir um arsenal de armas.

    "Apoiamos e saudamos a retirada dos Estados Unidos do acordo nuclear com o Irã, apoiamos a decisão de restabelecer as sanções econômicas ao Irã e continuamos a trabalhar com nossos parceiros para tratar dos perigos", declarou.

    As tensões no Golfo já são altas. Em março, o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, classificou o líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, como o "novo Hitler".

    Em novembro passado, o ministro israelense Yuval Steinitz revelou que os temores em relação ao Irã levaram a um abrandamento das relações entre sua nação e a Arábia Saudita. Os países atualmente não têm ligações diplomáticas oficiais após o conflito árabe-israelense em 1967.

    Ambos se manifestaram contra o acordo nuclear de 2015 e, antes da decisão dos EUA, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, fez uma apresentação televisionada alegando que o Irã secretamente ocultou arquivos "incriminatórios" no desenvolvimento de armas nucleares.

    Tema:
    EUA se retiram do acordo nuclear com Irã (32)

    Mais:

    UE não pode salvar acordo com Irã depois da saída dos EUA, diz alto militar iraniano
    Parlamentar: ataque a Irã na Síria é ação planejada após saída dos EUA do acordo nuclear
    Especialista: Rússia é único país mediador no conflito entre Israel e Irã
    Tags:
    hostilidades, diplomacia, corrida armamentista, bomba atômica, acordo nuclear, JCPOA, Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Benjamin Netanyahu, Yuval Steinitz, Aiatolá Ali Khamenei, Mohammed bin Salman, Donald Trump, Adel al-Jubeir, Estados Unidos, Arábia Saudita, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik