11:40 25 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    EUA se retiram do acordo nuclear com Irã (32)
    1512
    Nos siga no

    A Arábia Saudita, aliada dos EUA, reiterou que construirá uma bomba nuclear se o seu inimigo regional, o Irã, acelerar o desenvolvimento de um programa de armas. O país concordou com Washington e sua decisão de abandonar o acordo nuclear com Teerã.

    "Nós deixamos muito claro que, se o Irã adquirir uma capacidade nuclear, faremos tudo o que pudermos para fazer o mesmo", disse o ministro de Relações Exteriores da Arábia Saudita, Adel al-Jubeir.

    "Acredito que se o Irã reiniciar seu programa de armas nucleares, além do que tem agora, isso deve acionar o retorno de provisões e fazer com que todos os outros países do P5 abandonem o acordo e voltem a impor sanções ao Irã", continuou.

    Na terça-feira, o presidente dos EUA, Donald Trump, decidiu sair do acordo nuclear com o Irã, um acordo que suspendeu as sanções em troca da cooperação nuclear de Teerã. A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), uma organização internacional que monitora os desenvolvimentos nucleares, afirmou que o Irã tem mantido seu lado no trato e cumprindo o Plano de Ação Global Conjunto (JCPOA) de 2015.

    Falando à rede americana CNN, o alto funcionário saudita reduziu a ameaça feita pelo príncipe herdeiro Mohammed bin Salman no início deste ano. O país está atualmente construindo um programa de energia nuclear para fins energéticos, embora al-Jubeir tenha indicado que poderia ser expandido para incluir um arsenal de armas.

    "Apoiamos e saudamos a retirada dos Estados Unidos do acordo nuclear com o Irã, apoiamos a decisão de restabelecer as sanções econômicas ao Irã e continuamos a trabalhar com nossos parceiros para tratar dos perigos", declarou.

    As tensões no Golfo já são altas. Em março, o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, classificou o líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, como o "novo Hitler".

    Em novembro passado, o ministro israelense Yuval Steinitz revelou que os temores em relação ao Irã levaram a um abrandamento das relações entre sua nação e a Arábia Saudita. Os países atualmente não têm ligações diplomáticas oficiais após o conflito árabe-israelense em 1967.

    Ambos se manifestaram contra o acordo nuclear de 2015 e, antes da decisão dos EUA, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, fez uma apresentação televisionada alegando que o Irã secretamente ocultou arquivos "incriminatórios" no desenvolvimento de armas nucleares.

    Tema:
    EUA se retiram do acordo nuclear com Irã (32)

    Mais:

    UE não pode salvar acordo com Irã depois da saída dos EUA, diz alto militar iraniano
    Parlamentar: ataque a Irã na Síria é ação planejada após saída dos EUA do acordo nuclear
    Especialista: Rússia é único país mediador no conflito entre Israel e Irã
    Tags:
    Irã, Arábia Saudita, Estados Unidos, Adel al-Jubeir, Donald Trump, Mohammed bin Salman, Aiatolá Ali Khamenei, Yuval Steinitz, Benjamin Netanyahu, Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), JCPOA, acordo nuclear, bomba atômica, corrida armamentista, diplomacia, hostilidades
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar